browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A ‘Elite Secreta’ e as origens da Nova Ordem Mundial – NWO

Posted by on 27/11/2021

Sociedades secretas, as “mãos invisíveis” que guiam os assuntos nacionais e internacionais entre os países desde as sombras, remontam ao alvorecer da civilização ocidental. O indivíduo mais notoria e publicamente ligado a essas forças ocultas é Adam Weishaupt (1748-1830), um filósofo jesuíta formado e professor leigo de direito canônico na Universidade de Ingolstadt, no sul da Alemanha. Em 1 de maio de 1776 [ano da independência dos EUA], Weishaupt fundou uma sociedade secreta chamada ‘Perfectilibists’ (que logo se tornou conhecida como a ‘Ordem dos Illuminati’).

A Elite Secreta e as origens da Nova Ordem Mundial – NWO

Fonte: New Dawn Magazine – Por Jim Macgregor e Gerry Docherty

Os Illuminati logo recrutaram mais de 2.000 seguidores influentes, mas aparentemente duraram apenas até março de 1785, quando o governo da Baviera descobriu a conspiração, exilou Weishaupt e proibiu a Ordem na Baviera.

Alguns investigadores sugerem que, em vez de serem encerrados em 1785, os Illuminati (‘iluminados’) continuaram existindo até os dias de hoje. Nos últimos 245 anos, a controvérsia persistiu sobre seu papel em influenciar os assuntos globais. Em 1798, John Robison, professor de filosofia na Universidade de Edimburgo, publicou Proofs of Conspiracy, um livro que alega uma conspiração Illuminati / Maçonaria para conspirar contra todas as religiões, reis e governos da Europa. [1]

De acordo com Robison, os Illuminati foram fundamentais para fomentar os piores excessos da Revolução Francesa.  Nesse mesmo ano, o abade jesuíta Augustin de Barruel publicou Memoires pour Servir al ‘Histoire de Jacobinisme, que apoiou a tese de Robison. [2] Um século e meio depois, Nesta Webster e William Guy Carr reviveram teorias da conspiração sobre os Illuminati.

Nesta Webster (1876-1960), que estava ligado à União Britânica de Fascistas, escreveu que em vez de serem banidos, os Illuminati permaneceram ativos e em poucos anos “multiplicaram seus focos por todo o sul da Alemanha, e como consequência na Saxônia, na Prússia, na Suécia e até na Rússia”. [3] William Guy Carr, um oficial naval canadense nascido na Inglaterra e pregador cristão leigo, apoiou essa tese, sustentando que Weishaupt havia sido contratado por agiotas, incluindo a [lá vamos nós de novo…] Casa de Rothschild. Carr afirmou que havia uma força maligna na vanguarda de uma conspiração internacional para destruir instituições religiosas e governos nacionais a fim de criar um “Governo Mundial Único e Satânico”.[4]

De acordo com Carr, os conspiradores usam uma variedade de métodos para ajudá-los a atingir seus objetivos, incluindo:

1) Subornos monetários e perversões sexuais para obter o controle de pessoas que já ocupam cargos políticos importantes. Esses recrutas são então mantidos sob controle e trabalham para a agenda Iluminatti por meio de chantagem, ameaças de ruína financeira, exposição pública ou dano físico ou morte de seus entes queridos.

2) Os Illuminati em faculdades e universidades recrutam alunos com habilidades mentais excepcionais.

3) Indivíduos presos ao controle dos Illuminati são colocados nos bastidores de todos os governos como ‘especialistas’ e ‘conselheiros’ que aconselham a adoção de políticas que servem aos planos secretos de um governo mundial.

4) Controle da imprensa e de todos os demais órgãos que distribuem [des]informações ao público.[5]

No entanto, o pesquisador Illuminati Dr. Tony Page diz que Webster e Carr representaram totalmente a situação e eram anti-semitas entregando-se à teoria da conspiração maluca. Page traduziu documentos de Weishaupt do alemão original e o apresenta como um homem moral e virtuoso muito difamado, cujas intenções eram “seguramente nobres e benignas”. Um homem que “se esforçou por objetivos muito mais nobres e moralmente elevados do que os que lhe são atribuídos. Na verdade, sua intenção (ingênua talvez), mas a meu ver, sincera, era promover e disseminar a virtude humana, a igualdade e a liberdade, e a felicidade e dignidade que delas emanam”.[6]

Hoje, alguns vêem os Illuminati “como um fator importante e influência na política de poder internacional, supostamente fomentando guerras, desordem civil e revoluções em sua tentativa de estabelecer um governo mundial.[7] Parece que o júri ainda não decidiu se os Illuminati são uma força oculta contínua.

que podemos dizer é que em nossa própria pesquisa intensiva nos últimos 10 anos sobre as verdadeiras origens da Primeira Guerra Mundial, não encontramos nenhuma conexão direta com a criação de Weishaupt. A sociedade secreta que identificamos como responsável pela guerra empregou táticas semelhantes, mas era uma criação muito diferente, muito inglesa. Além disso, ele permaneceu escondido até ser exposta pelo falecido Professor Carroll Quigley, na segunda metade do século XX. Quigley (1910-1977) foi um historiador americano altamente estimado que se mudou nos círculos do establishment, lecionou nas principais universidades, incluindo Harvard, Princeton e Georgetown, e foi um consultor de confiança do Departamento de Defesa dos EUA e da Marinha dos EUA. Ele estudou essa rede secreta por 20 anos e teve permissão para examinar seus registros. No jargão do século XXI, Carroll Quigley foi o delator por excelência.

O ENIGMA QUIGLEY

O professor Quigley escreveu que a sociedade secreta de [Cecil] Rhodes, ou o ‘Grupo Milner’ como ele a chamou após a morte de Cecil Rhodes, foi “um dos fatos históricos mais importantes do século XX” e de tal importância que “a evidência de sua existência não é difícil de encontrar, se alguém souber onde procurar”.[8] O ‘Grupo Milner’ exposto por Quigley é agora amplamente reconhecido e variavelmente denominado por outros como o ‘Poder Oculto’, o ‘Poder do Dinheiro’, o ‘Estado Profundo’ ou ‘os homens por trás da cortina’. Todos esses rótulos são pertinentes, mas nós os chamamos, coletivamente, de a Elite Secreta .

Sem as revelações de Quigley, a cobertura desta sociedade secreta ainda estaria fechada hoje. Abrindo a Caixa de Pandora e revelando alguns dos males nela contidos, ele permitiu que outros vissem a verdade. Seu trabalho expondo este grupo poderoso foi aprimorado e desenvolvido através de anos de pesquisa cuidadosa por outros investigadores em uma explicação de como o controle do mundo civilizado tem sido adquirido continuamente por meio de guerras, manipulação econômica e chicanice política por gerações de oligarcas privilegiados e muito dinheiro.

Nosso próprio trabalho, incluindo o livro História Oculta: As Origens Secretas da Primeira Guerra Mundial , examina de perto os homens envolvidos e revela que sua influência nefasta global foi maior até do que Quigley acreditava.  Coletamos evidências sólidas de que seus membros foram os responsáveis ​​diretos por levar o mundo à guerra em 1914 e prolongamos deliberadamente a terrível carnificina por mais de quatro longos anos, enquanto ganharam fortunas maciças com ela. A Elite Secreta imensamente rica e poderosa controlou os governos britânico e americano por trás dos bastidores, então como agora, e muito do caos global no último século surgiu por sua instigação.

Embora o Professor Quigley tenha prestado um grande serviço à humanidade, ele permanece um enigma. Ele expôs essa organização totalitária implacável, antidemocrática e angustiado com suas tentativas determinadas de suprimir seus escritos, mas voltou atrás em algumas de suas descobertas originais como se temesse por sua vida. Ele também evitou uma série de questões-chave e falhou em discutir o papel da Elite Secreta na gênese da guerra de 1914-18, ou seu audacioso golpe de estado em 1916, pelo qual eles literalmente assumiram o governo britânico e derrubaram o Czar russo com a revolução bolchevique. De forma bastante bizarra, Quigley afirmou que concordava com seus objetivos e metas.[9] Ele, entretanto, discordou de seus métodos.

Sua tendência de colocar o poder e a influência em mãos escolhidas por amizade em vez de mérito, seu esquecimento das consequências de suas ações, sua ignorância do ponto de vista de pessoas em outros países ou de pessoas em outras classes em seu próprio país – essas coisas , parece-me, trouxe muitas das coisas que eles e eu consideramos perto do desastre. Neste Grupo estavam pessoas … que devem merecer a admiração e o carinho de todos os que os conheceram. Por outro lado, neste Grupo estavam pessoas cujas vidas foram um desastre para o nosso estilo de vida. Infelizmente, no longo prazo, tanto no Grupo como no mundo, a influência do último tipo tem sido mais forte do que a do primeiro. … Eu sinto que a verdade tem o direito de ser dita e, uma vez dita, não pode ser um prejuízo para nenhum homem de boa vontade.[10]

Há algo profundamente intrigante na afirmação de Quigley de que, embora seus métodos trouxessem muito do que ele considerava “perto do desastre”, ele concordou com seus objetivos e objetivos de controle global. Esses homens poderosos pretendiam substituir governos eleitos democraticamente, argumentando que seu governo seria o governo dos melhores, quer o povo quisesse ou não.

Alguns pesquisadores levantam a possibilidade de que Quigley foi, em algum momento, um membro da sociedade secreta, mas não conseguiu admiti-lo. Acreditamos que é muito mais provável que suas estranhas declarações de apoio tenham se resumido à autopreservação. Em suas principais obras – Tragedy and Hope: A History of the World in Our TimeThe Anglo-American Establishment ele narrou uma história povoada por homens que esconderam com sucesso seu poder e influência, sua conivência e propósito comum. Esses indivíduos (e seus descendentes e agentes desde então) conspiraram em segredo para o estabelecimento de um governo mundial que, em última análise, eles, e somente eles, controlariam.

É importante notar que as próprias histórias de Quigley foram sujeitas a supressão. Tragedy and Hope foi retirado das prateleiras da livraria por pessoas desconhecidas e retirado da venda logo após seu lançamento. Sua editora, a Macmillan Company, destruiu as placas originais do livro e mentiu para ele pelos seis anos seguintes.[11] Quigley acreditava que pessoas poderosas suprimiram o livro porque ele expôs assuntos que eles não queriam que fossem conhecidos pelo público. Neste caso, ao contrário de sua exposição do Establishment britânico, ele não citou seus algozes.

NO INÍCIO

A passagem de abertura de The Anglo-American Establishment de Quigley pode soar como um thriller de John le Carré, mas não é uma ficção de espionagem:

Em uma tarde invernal de fevereiro de 1891, três homens estavam conversando seriamente em Londres. Dessa conversa viriam consequências da maior importância para o Império Britânico e para o mundo como um todo.

Os ferrenhos imperialistas britânicos que se encontraram naquele dia – Cecil Rhodes, William Stead e Lord Esher – eram figuras públicas bem conhecidas, mas deve-se notar desde o início que cada um estava ligado a uma riqueza e influência infinitamente maiores. Se juntaram a eles, semanas depois, Lord Alfred Milner e Lord Nathaniel Rothschild, o banqueiro mercantil internacional e o então homem mais rico do mundo. Ele foi empossado junto com Lords Salisbury e Rosebery, cujas famílias controlaram por gerações os partidos Conservador e Liberal na Grã-Bretanha e governaram o país como seu feudo pessoal. Rothschild forneceu a influência financeira, enquanto Salisbury e Rosebery forneceram o patrocínio de longa data e redes políticas.[12]

Cecil Rhodes, em associação com Rothschild, fizera sua fortuna nas minas de ouro e diamantes da África do Sul. Stead era o jornalista inglês mais proeminente da época e um cruzado moral de grande reputação. Esher representou os interesses da monarquia desde os anos finais da Rainha Vitória, passando pelos excessos exuberantes do Rei Eduardo VII, até o mais calmo, mas flexível, Rei George V. Foi por meio de Esher que o monarca foi mantido totalmente informado dos negócios da Elite Secreta.[13]

Alfred Milner, um contemporâneo de Rhodes na Universidade de Oxford, foi um self-made man de habilidade e ideias que começou sua vida profissional como um aspirante a advogado, se voltou para o jornalismo, liderou a agitação política contra os separatistas bôeres na África do Sul e acabou emergindo como um corretor de poder imensamente poderoso e bem-sucedido. Milner era o mestre da manipulação, o intelectual assertivo e obstinado que oferecia aquele fator essencial: liderança forte. Com a morte de Cecil Rhodes em 1902, ele se tornou o líder indiscutível da sociedade secreta mais poderosa e de longo alcance do mundo. Esses foram os pais fundadores do que reconhecemos hoje como o movimento da ‘Nova Ordem Mundial’.

Eles se encontraram em casas particulares e magníficas mansões senhoriais. Podem ter eventos luxuosos de fim de semana ou jantares em clubes privados que fornecem bases londrinas adequadas para suas intrigas. A mistura inebriante de finanças internacionais, manipulação política e controle da política governamental estava no coração desta pequena camarilha que se propôs a dominar o mundo. Eles traçaram seu plano para uma sociedade secreta que assumiria o controle político na Grã-Bretanha e, mais tarde, por extensão, nos Estados Unidos da América. 

Eles renovaram o vínculo anglo-saxão entre os dois países – o “relacionamento especial” – expandindo sua base de poder para trazer os americanos anglófilos à irmandade secreta; homens que iriam dominar o mundo por meio de instituições financeiras, corporações globais, governos dependentes e a força das armas do Complexo Industrial Militar. Guerras, revoluções e outros eventos importantes dos últimos 100 anos são diretamente atribuíveis a esses indivíduos. A Guerra dos Bôeres e a destruição da Alemanha em 1914-18 foram apenas os primeiros passos em sua estratégia de longo prazo.

A sociedade secreta compreendia círculos concêntricos com um núcleo interno de associados de confiança conhecidos como “A Sociedade dos Eleitos”, que inquestionavelmente sabiam que eram membros de uma cabala exclusiva dedicada a tomar e manter o poder em todo o mundo. Um segundo círculo, “A Associação de Auxiliares”, era maior e bastante fluido em seus membros. Um terceiro anel externo compreendia membros que podem ou não estar cientes de que são parte integrante de uma sociedade secreta ou estão inadvertidamente sendo usados ​​por uma sociedade secreta, embora “seja mais provável que eles soubessem disso”.[14]

Os anéis sobrepostos estão eles próprios ocultos, escondidos atrás de grupos formalmente organizados sem significado político óbvio. Como Quigley disse, o grupo foi capaz de “ocultar sua existência com bastante sucesso, e muitos de seus membros influentes, satisfeitos por possuir a realidade do poder em vez da aparência de poder, são desconhecidos até mesmo para os estudantes próximos da história britânica”[15]No início dos anos do século XX seus tentáculos espalhados por todo o Império Britânico para a América, Rússia, França, nos Balcãs e na África do Sul. Seus alvos eram agentes nos mais altos cargos de governos estrangeiros, comprados e cultivados para uso futuro.

Além do mais, eles tinham o poder de controlar a história, de transformar a história da iluminação em decepção. A Elite Secreta ditou a escrita e o ensino da história desde as torres de marfim da academia até as menores escolas. Eles controlaram cuidadosamente a publicação de documentos oficiais dos governos, a seleção de documentos para inclusão na versão oficial da história e recusaram o acesso a qualquer evidência que pudesse trair sua existência secreta. Documentos descriminados foram queimados, removidos de registros oficiais, picados, falsificados ou reescritos deliberadamente, de modo que o que resta para pesquisadores e historiadores genuínos é material cuidadosamente selecionado e manipulado. Suas ambições superaram a humanidade e as consequências de suas ações foram minimizadas, ignoradas ou negadas.

ESPALHANDO SEUS TENTÁCULOS

Um dos problemas enfrentados por qualquer pessoa que leia o seminal The Anglo American Establishment de Quigley é que ele é difícil de ler. Como vários dos primeiros capítulos da Bíblia cristã, suas listas interconectadas mencionam muitos da aristocracia, grandes negócios, altas finanças, política e imprensa. Alguns estavam ligados por alianças matrimoniais, enquanto outros por sua gratidão por títulos e posições de poder.[20]Ele dedica um capítulo inteiro revelando como a Elite Secreta controlou o The Times (então o jornal mais influente da Grã-Bretanha) por mais de 50 anos, com exceção do período 1919-1922.[21]

Uma lista de graduados em Oxford, especialmente aqueles com bolsa de estudos no All Souls College, incluía o herdeiro aparente de Milner, Lionel Curtis, e vários outros que mais tarde ganharam posições de grande significado e poder. Na verdade, todos eles fizeram, todos os nomes listados por Quigley. Oxford deu à Secreta Elite acesso a cargos de professores influentes, alguns dos quais eles criaram e financiaram, como a Beit Chair of Colonial History, criada em 1905. Continua sendo uma séria preocupação que Carroll Quigley estava absolutamente correto ao apontar um dedo acusador para aqueles que monopolizou “tão completamente a escrita e o ensino da história de seu próprio período”[22] Não há ambivalência em sua acusação. A Elite Secreta controlava a escrita e o ensino da história por meio de vários meios, incluindo a imprensa, mas nenhum mais efetivamente do que na Universidade de Oxford, onde exerceu grande influência sobre Balliol, New College e All Souls, e dominou amplamente a vida intelectual de Oxford no campo de história.[23] Eles garantiram que aprendêssemos apenas os ‘fatos’ que sustentam a sua versão da história. A influência foi tão poderosa que controlou o Dicionário de Biografia Nacional, o que significa que a Elite Secreta escreveu as biografias de seus próprios membros. Eles criaram sua própria história oficial de membros-chave para consumo público, eliminando qualquer evidência incriminatória e retratando a melhor imagem de espírito público que poderia ser fabricada com segurança. Algo mudou nos dias de hoje?

A Universidade de Oxford também foi a base da Elite Secreta para as Bolsas de Estudo Rhodes, financiadas pelo legado deixado por Cecil Rhodes quando ele morreu em 1902. O desejo de Rhodes era criar um grupo secreto “mundial” dedicado aos ideais ingleses e ao Império como a personificação de esses ideais[24] e as bolsas trouxeram essa dimensão internacional para a sociedade. Eles “eram apenas uma fachada para ocultar a sociedade secreta ou, mais precisamente, deveriam ser um dos instrumentos pelos quais os membros da sociedade secreta poderiam realizar seu propósito”. O professor Quigley não nos deixa dúvidas de que a sociedade secreta é o verdadeiro poder por trás das bolsas.[25] Desde o início, as Bolsas Rhodes favoreceram estudantes americanos, com 100 vagas alocadas, duas para cada um dos 50 estados e territórios, enquanto apenas 60 foram disponibilizadas para todo o Império Britânico e, estranhamente, várias da Alemanha. Os ‘melhores talentos’ das ‘melhores famílias’ seriam cultivados na Universidade de Oxford e imbuídos de uma apreciação da ‘inglesidade’ e da importância da “manutenção da unidade do Império”.

Em The Anglo-American Establishment , Quigley concluiu que a cabala secreta avançou sua base de poder por meio de uma penetração de três frentes na política, na imprensa e na educação.[26] Iríamos mais longe e não podemos deixar de nos perguntar por que ele omitiu o setor bancário e o complexo industrial militar de sua análise. Os políticos sempre serão alvos fáceis. Ambição, ganância e propensão à perversão sexual podem ser nutridas e aproveitadas. Às vezes, homens de verdadeira estatura vêm à frente e trazem forte liderança para a causa. Nos primeiros anos, Alfred Milner assumiu esse manto. Incentivado por um zelo forjado por Ruskin em Oxford, ele foi consumido pela necessidade de estabelecer a primazia da inglesidade da classe alta no auge do poder mundial. Ele acreditava na necessidade de reunir o Império Britânico e o ideal americano para varrer qualquer rival pela dominação mundial.

Milner foi para a África do Sul em 1897 para evitar que caísse nas mãos dos bôeres. Ele deliberadamente começou a Guerra dos Bôeres e salvou as minas de ouro e diamante para os companheiros da Elites Secreta Rhodes, Rothschild, Beit e Bailey. Ele foi idolatrado por Cecil Rhodes, que colocou seu legado sob a custódia de Milner, e foi recompensado pelo rei com um título de cavaleiro e depois um viscondado. De maneira crítica, na África do Sul entre 1897 e 1905, ele conquistou uma sequência pessoal de jovens funcionários públicos cuidadosamente escolhidos, que seguiram lealmente todas as suas decisões nos bastidores da política britânica e mundial. Lord Alfred Milner foi sem dúvida o mais importante homem vivo nas primeiras décadas do século XX, mas fora dos círculos acadêmicos e políticos seus nome permanece praticamente desconhecidos. Por que?

LEGADO DE MILNER

Para demonstrar o caminho privilegiado que a Elite Secreta criou em sua busca para estabelecer uma ‘Nova Ordem Mundial’, escolhemos seguir a trilha que começou com Alfred Milner, o líder indiscutível por 23 anos após a morte de Rhodes em 1902. Criticamente, a sua conquista mais importante na África do Sul foi a criação de uma rede de acólitos extremamente capazes, aos quais ele confiou a direção futura de sua causa: o domínio do mundo pela raça anglo-saxônica. Seu secretariado na África do Sul era formado por jovens de “educação, habilidade e convicção” da Universidade de Oxford, All Souls College em particular. Chamados de “jardim de infância de Milner”, eles absorveram seu compromisso com a filosofia de Ruskin, seu desdém por políticos de carreira e sua preocupação de que a democracia, tal como se desenvolveu no mundo ocidental, era corrupta e indigna de confiança.[27]

A partir de 1909 Milner começou a expandir o jardim de infância em uma organização altamente secreta chamada “Mesa Redonda” [Round Table], com filiais na África do Sul, Canadá, Nova Zelândia, Austrália e, principalmente, nos Estados Unidos. (Não deve ser confundido com uma organização de caridade benigna de mesmo nome.) O grande título arthuriano sugeria igualdade de posição e importância, nobreza de propósito e justiça no debate, mas não era nada disso. Milner, e a maior parte do Grupo, desprezava a democracia e era muito inferior ao governo daqueles que tinham uma “capacidade intelectual para julgar o interesse público” e “alguma capacidade moral para tratá-lo como algo fundamental para o seu próprio.[28] A riqueza, é claro, também contava e “considerou-se que a chave para toda economia e prosperidade estava nos bancos e nas finanças”[29] que a Elite Secreta controlava. Alfred Milner atuou como estadista mais velho e figura paterna na Mesa Redonda, com seu papel descrito como “Presidente de uma República Intelectual”.

Os grupos da Mesa Redonda em todo o mundo mantiveram contato por meio de correspondência regular e de um jornal trimestral chamado Mesa Redonda, controlado pela Elite Secreta. Eles viam a Grã-Bretanha como a defensora de tudo o que era bom ou civilizado no mundo moderno. Sua “missão civilizadora” deveria ser cumprida pela força, se necessário, pois a “função da força é dar tempo para as idéias morais criarem raízes”. Os asiáticos, por exemplo, seriam compelidos a aceitar a “civilização” com o fundamento de que estariam em melhor situação sob o domínio britânico do que o de outros asiáticos. “Com certeza, as bênçãos a serem estendidas aos povos menos afortunados do mundo não incluíam a democracia.” Eles simplesmente seriam educados a um nível em que pudessem apreciar e valorizar os “ideais britânicos”.[30] O ‘fardo do homem branco’ é realmente grande.

Milner, sua Mesa Redonda e a Elite Secreta geralmente viam a nova Alemanha com sua força e potência econômica, industrial e comercial como a grande ameaça às suas ambições globais. No jornal The Round Table de agosto de 1911, Lord Lothian, um membro do núcleo interno da Elite Secreta, escreveu: “Existem atualmente dois códigos de moralidade internacional – o britânico ou anglo-saxão e o continental ou alemão. Ambos não podem prevalecer”.[31] Alianças com a França e a Rússia foram criadas para a tarefa específica de destruir a Alemanha por meio de uma guerra prolongada.[32] Esses homens não temiam a guerra, embora raramente se colocassem na linha de fogo direta.

EXPANSÃO DA PRIMÁTICA ANGLO-AMERICANA

Cecil Rhodes há muito sonhava com a unidade anglo-americana e, em 1891, realmente discutiu a possibilidade de alcançá-la com a adesão da Grã-Bretanha aos Estados Unidos.[33] Com sua morte, a Elite Secreta desenvolveu uma apreciação ainda maior do vasto potencial da América e a necessidade de uma união mais estreita. Eles ajustaram o conceito original da supremacia racial britânica à supremacia anglo-saxônica, de modo que o sonho de Rhodes só teve que ser ligeiramente modificado. Eles criaram uma ideologia e uma visão de mundo comuns entre os povos do Reino Unido e dos Estados Unidos, e os instrumentos e práticas de cooperação para buscar políticas paralelas.[34]

Alfred Milner acreditava que esses objetivos deveriam ser perseguidos por uma elite política e econômica secreta, influenciando “agências jornalísticas, educacionais e de propaganda” nos bastidores. O fluxo de dinheiro para os Estados Unidos durante o século XIX avançou o desenvolvimento industrial para o imenso benefício dos milionários que ele criou: Rockefeller, Carnegie, Morgan, Vanderbilt e seus associados. Os Rothschilds representavam os interesses [dos judeus khazares] britânicos, seja diretamente por meio de empresas de fachada ou indiretamente por meio de agências que controlavam. Pequenos grupos de indivíduos extremamente ricos em ambos os lados do Atlântico se conheciam bem, e a Elite Secreta em Londres deu início ao clube de jantar muito seleto e secreto, os Peregrinos, que os reunia regularmente. Em 11 de julho de 1902, uma reunião inaugural foi realizada no Carlton Hotel do que ficou conhecido como o Capítulo de Londres da Sociedade de Peregrinos. Era para ter um número seleto de membros, limitado pelo escrutínio individual a 500. Ostensivamente, The Pilgrims foi criado para “promover a boa vontade.[35]

Sete meses depois, o capítulo americano foi formalmente criado em linhas igualmente exclusivas. Este foi o pool de riqueza e talento que a Elite Secreta reuniu para promover sua agenda nos anos anteriores à Primeira Guerra Mundial. Por trás de uma imagem dos Pilgrim Fathers, os perseguidos pioneiros dos valores cristãos, esta cabala de elite defendia a ideia de que “ingleses e americanos promoveriam a amizade internacional por meio de suas peregrinações de um lado para outro através do Atlântico”. Ele se apresentou como um movimento espontâneo para promover a democracia em todo o mundo, e a maioria dos membros provavelmente acreditava nisso. Mas os Peregrinos incluíam um seleto grupo das figuras mais ricas da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos que estavam profundamente envolvidas com a Elite Secreta. Eles compartilhavam o sonho de Rhodes e queriam fazer parte dele.[36]

Na Grã-Bretanha, pelo menos 18 membros da Elite Secreta, incluindo os Rothschild, Curzon, Northcliffe e Esher, e Sir Edward Grey e Arthur Balfour, compareciam aos jantares dos peregrinos, embora a regularidade de sua presença seja difícil de estabelecer. Esse é o problema perene dos grupos secretos. Sabemos algo sobre os convidados para jantar, mas não o que foi discutido entre os petiscos. Em Nova York, os membros incluíam as dinastias Rockefeller e Morgan, e muitos homens em altos cargos no governo. A elite do poder na América era centrada em Nova York, exercia grande influência na política doméstica e internacional e era extremamente indulgente com as universidades de Yale, Harvard e Princeton. Em um curto período de tempo, eles criaram uma versão americana do que Carroll Quigley chamou de penetração da tripla frente na política, na imprensa e na educação. A Pilgrims Society reuniu dinheiro americano e aristocracia, realeza, presidentes e representantes diplomáticos britânicos. Foi realmente um relacionamento especial.[37]

Como os laços mais estreitos com os Estados Unidos eram considerados de importância crucial, um grupo de Mesa Redonda também foi estabelecido em Nova York para desenvolver ainda mais as ligações entre Westminster e Washington, e as altas finanças na cidade de [a City, The Crown] Londres e Wall Street. Foi apoiado por Rockefeller e Morgan, administrado em segredo, escondido do eleitorado e dos políticos, e normalmente suas reuniões não eram noticiadas na imprensa. Os membros pretendiam ganhar influência política e definir a agenda política nos Estados Unidos, mas raramente estavam dispostos a falar em público. Tudo deveria ser realizado em segredo[38] Quão perigosos são aqueles que acreditam ter a capacidade de pensar e planejar o bem do mundo, insensível à vontade do povo e desdenhoso da própria democracia?

O primeiro americano a se associar diretamente à Mesa Redonda foi George Louis Beer, um franco acadêmico e escritor anglófilo que contribuiu com relatórios e artigos para a revista por muitos anos. Beer chamou Alfred Milner de “o líder intelectual da escola mais progressista do pensamento imperial em toda a Europa” e foi um dos principais defensores da intervenção dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial. Sua ligação com a Elite Secreta abriu muitas portas associadas e Beer tornou-se o especialista reconhecido em questões coloniais na Conferência de Paz de Paris em 1918-19. Da maneira que tipifica como esses homens poderosos escrevem suas próprias histórias, Beer e seu compatriota da Elite Secreta, Lord Eustace Percy, mais tarde elaboraram o plano geral para a Conferência de História da Paz. Em outras palavras, a Elite Secreta certificou-se de que o registro para as gerações futuras fosse aquele que eles ditaram. Eles apoiaram a nomeação de Beer para chefe do Grupo de Mandato da Liga das Nações e ele foi um dos criadores do Royal Institute of International Affairs em Londres (Chatham House), sua filial americana, The Council on Foreign Relations (CFR) e organização irmã, o Instituto de Relações do Pacífico.[39] Para que não haja dúvidas, todas foram criações da Elite Secreta. O jardim de infância de Milner foi expandido para a Mesa Redonda e que, por sua vez, foi expandido para o Royal Institute of International Affairs em Londres, o CFR em Nova York e outros institutos em todo o mundo.

O papel dominante do CFR no controle da política e da política americana não pode ser exagerado porque quase toda a liderança da América se originou desse grupo de elite. Isso inclui presidentes e seus conselheiros, membros do gabinete, embaixadores, membros do conselho do Federal Reserve, diretores dos maiores bancos e instituições financeiras, presidentes de universidades e chefes de jornais metropolitanos, serviços de notícias e redes de televisão. “Não é exagero descrever este grupo como o governo oculto dos Estados Unidos”.[40]É nada menos do que uma cópia carbono de como a Secreta Elite assumiu o controle da Grã-Bretanha no século. XX Essas organizações foram extensões diretas dos Grupos da Mesa Redonda e ajudaram a impulsionar a agenda da Elite Secreta durante os anos do século XX até os dias atuais.

Carroll Quigley foi o pioneiro em desmascarar a Elite Secreta, e é claro que eles ainda dominam os governos britânico e americano, entre outros; ainda controlam os bancos e as finanças, a política, a imprensa, o complexo industrial militar, as universidades e os principais escritórios do estado.

Onde quer que você more, pergunte-se o seguinte: “isso está acontecendo aqui?” O conjunto plano posto em movimento por Rhodes e Milner no final do século XIX em diante. Pode ser impedido de chegar ao seu destino final – um governo mundial totalitário, controlado pela elite? O desafio é ir além do que Gore Vidal descreveu como uma resposta condicionada à palavra ‘conspiração’, em que as pessoas reagem com um sorriso malicioso e uma risadinha; onde a análise histórica e as evidências contemporâneas que demonstram o poder que essas pessoas exercem são descartadas como o produto de ‘malucos e solitários’ ou extremistas marginais.[41] Se desistirmos de tentar educar os que duvidam, desistirmos de contá-lo como realmente as coisas são, nós, o povo, estamos condenados a um pesadelo orwelliano.

Os leitores são incentivados a obter uma cópia do livro dos autores História Oculta: As Origens Secretas da Primeira Guerra Mundial e visitar o blog dos autores em firstworldwarhiddenhistory.wordpress.com . Hidden History está disponível em todas as boas livrarias e varejistas online.

Footnotes

  1. E-book available at www.sacred-texts.com/sro/pc/pc03.htm
  2. E-book available at books.google.com.pe/books/about/M%C3%A9moires_pour_servir_a_l_histoire_du_ja.html?id=y8NWAAAAMAAJ
  3. Nesta H Webster, Secret Societies and Subversive Movements, HRP edition, 254
  4. William Guy Carr, Pawns in the Game, X
  5. Ibid., X-XI
  6. Tony Page, A Brief Justification of My Intentions by Adam Weishauptwww.amazon.com/Brief-Justification-Intentions-Adam-Weishaupt-ebook/dp/B00M4TL9RS
  7. ‘The Enlightened Ones: The Illuminati and the New World Order’ by Michael Howard, New Dawn Special Issue 11
  8. Carroll Quigley, The Anglo-American Establishment, IX-X
  9. Ibid., XI
  10. Ibid., IX-X
  11. www.youtube.com/watch?v=JeuF8rYgJPk
  12. Gerry Docherty & Jim Macgregor, Hidden History: The Secret Origins of the First World War, 17-29
  13. Carroll Quigley, Tragedy and Hope: A History of the World in Our Time, 137
  14. Quigley, The Anglo-American Establishment, X
  15. Ibid., 4-5
  16. www.youtube.com/watch?v=JeuF8rYgJPk
  17. D. J. Markwell, ‘Zimmern, Sir Alfred Eckhard (1879–1957)’, Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press, 2004, www.oxforddnb.com/view/article/37088
  18. Quigley, The Anglo-American Establishment, X
  19. Docherty & Macgregor, Hidden History, 14
  20. Quigley, The Anglo-American Establishment, 15
  21. Ibid., 101-116
  22. Ibid., 197
  23. Ibid., 84-100
  24. Ibid., 37
  25. Quigley, Tragedy and Hope, 131
  26. Quigley, The Anglo-American Establishment, 15
  27. Ibid., 34
  28. Ibid, 134
  29. Ibid., 122
  30. Ibid., 133-6
  31. Ibid., 329
  32. Docherty & Macgregor, Hidden History, 75-96
  33. Quigley, The Anglo-American Establishment, 38
  34. Ibid., 150
  35. Docherty & Macgregor, Hidden History, 210-224
  36. Ibid.
  37. Ibid.
  38. Ibid.
  39. Quigley, The Anglo-American Establishment, 168
  40. G. Edward Griffin, The Creature From Jekyll Island, 110
  41. Gore Vidal, Perpetual War for Perpetual Peace

Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.