Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Máquina de Subversão e Corrupção do khazar George Soros

A soma de recursos é alucinante. 32 bilhões de dólares. Este é o rio de dinheiro que o judeu khazar húngaro, George Soros derramou em sua rede de ONGs, a sigla que identifica as organizações não-governamentais por meio das quais o magnata financeiro e outros oligarcas, visa essencialmente dobrar as políticas dos Estados-nação para garantir que reflitam os interesses do mundo que Soros et caterva representa. Um grupo de pesquisa americano, o Media Research Center, rastreou toda a rede das pre$$titutas de mídia através da qual George Soros pretende influenciar a opinião pública nos países em que essa enorme quantia de dinheiro foi investida.

A MÁQUINA DE SUBVERSÃO DE GEORGE SOROS

Fonte: La Cruna Dell’Ago – por Cesare Sacchetti

É o mundo financeiro de Wall Street e da City de Londres, dois centros dominados pelos judeus khazares, que há muito é a verdadeira ‘deus ex machina‘ dos países ocidentais e que impôs ao Ocidente o regime “liberal” moderno [‘acordado’, LGBTQ+, Transgênero, anti cristão, Transhumanista, etc] que oprime os cidadãos europeus em particular.

Um grupo de pesquisa americano, o Media Research Center, rastreou toda a rede das pre$$titutas de mídia através da qual George Soros pretende influenciar a opinião pública nos países em que essa enorme quantia de dinheiro foi investida.

São 253 grupos de mídia que Soros consegue controlar indiretamente ou não.

Para chegar ao fundo deste fio da subversão internacional, o MRC elaborou um estudo em três partes , sendo que a primeira parte saiu nestes dias e as outras duas serão publicadas em breve.

A primeira parte traça o perfil das principais organizações que Soros possui para controlar o que se passa na mídia e nas redes sociais.

Partimos das publicações mais “autorizadas” como a Project Syndicate que pode ser considerada para todos os efeitos uma das principais revistas de referência do mundo globalista “liberal”. Personalidades como o presidente francês Emmanuel [Rothschild] Macron, a ex-chanceler alemã Angela Merkel, o ex-subsecretário de defesa do governo Bush, o falcão neocon Paul Wolfowitz e, claro, ele, George Soros, escrevem no Project Syndicate.

Só essa revista em questão chega a 156 países e seus artigos foram distribuídos ou compartilhados por outros sites pelo menos 20 mil vezes. Ao Project Syndicate, Soros deu pouco mais de um milhão e meio de dólares de 2016 a 2020.

Depois, há a rede do que se define em língua inglesa como “fact-checkers”, ou seja, os autodenominados revisores dos fatos que estabelecem o que seria verdadeiro e o que, segundo eles, seria falso.

Quase sempre a definição de verdadeiro e falso coincide com o padrão de pensamento liberal daqueles que governam e financiam essas instituições que, na verdade, agem para censurar todos aqueles fatos e notícias inconvenientes demais para esse sistema de poder quando desafiado.

Um deles em particular tornou-se notório nos últimos anos, e é o Poynter Institute. Este instituto recebeu 492.000 dólares de Soros nos últimos anos e é a organização que através de sua filial, a Politifact, se encarrega de “revisar” tudo o que passa no Facebook e no Instagram.

Até este escritor foi vítima da máquina de lama de Poynter que definiu o autor deste artigo como uma espécie de “infrator habitual da desinformação” num artigo em que o instituto em questão tentou desajeitadamente desmentir aqueles que demonstrassem todas as incoerências e falsidade da narrativa “pandêmica”.

Quando um leitor se depara com um de seus artigos censurado pelo Facebook ou marcado pela rede social com as palavras “informação não verificada” é precisamente porque a máquina de censura dos “revisores de fatos” foi acionada.

E aqui na Itália, em particular, esta máquina é gerida pela revista Open, que “coincidentemente” leva o mesmo nome da Open Society de Soros, primeiro dirigida por Enrico Mentana, e agora passada para a direcção de Franco Bechis.

A Open firmou um acordo de parceria com o Facebook para realizar esse tipo de auditoria do que passa no Facebook. E a ironia, ou melhor, verdadeira ousadia, é que o jornal em questão define como “independentes” quem exerce esse controle arbitrário sobre as notícias compartilhadas, quando todos sabem que por trás dessas instituições está o dinheiro do magnata húngaro de origem judaica com cidadania americana.

A chamada “verificação de fatos” até hoje nada mais é do que uma enorme máquina que continuamente produz notícias falsas em nome de seus credores e referentes e na defesa de suas agendas.

Soros, nesse sentido, tem uma tarefa específica. É um agente ativo do espírito da revolução globalista, ou seja, o tipo de filosofia política que visa o fim dos Estados-nação a serem substituídos pela dominação de organizações supranacionais controladas diretamente pelo poder das “grandes” finanças e empresas farmacêuticas .

O personagem de Soros é um tanto misterioso em alguns aspectos. Ninguém nunca tinha ouvido falar desse financista até os anos 70/80. A figura de Soros começa a se destacar principalmente a partir do início dos anos 90, quando passa a desempenhar o papel de financiador de todos aqueles processos que servem para acelerar o advento de um supergoverno mundial ou uma Nova Ordem Mundial.

Então, onde está o tráfico humano, estão as ONGs financiadas por ele e os especialistas em gestão da imigração ilegal. Onde se reencontram aqueles que pedem ativamente o fim da existência de fronteiras, indispensáveis ??à existência dos Estados-nação, estão os lacaios das suas ONGs.

E onde se encontram os centros sociais, reencontram-se os operários que devem transformar o Estado nacional numa Babel global dominada pela “mestiçagem”, expressão tão cara a Corrado Augias, e pela absoluta ausência de identidade étnica e religiosa.

Tudo o que identifica o espírito da tradição cristã e conservadorismo é detestado por esses poderes que pretendem erguer um Leviatã internacional sem sexo definido, promícuo e corrupto que encarne o espírito da revolução liberal imbuído da ideologia e agenda globalista de oligarcas e WEF.

No entanto, Soros torna-se uma figura de importância internacional especialmente em 1992, quando começa a colocar suas operações especulativas contra a libra esterlina e a lira italiana. Na época, vigorava na Europa um sistema de taxas de câmbio fixas, o chamado EMS, que previa que essas moedas mantivessem uma taxa de câmbio fixa com o ECU.

Simplificando, quem aderiu a esse sistema não poderia desvalorizar sua moeda, mas defender a taxa de câmbio estabelecida nos escritórios europeus.

Soros começou a apostar através de seu Quantum Fund contra essas moedas porque já sabia que a outra parte, ao invés de abandonar o regime de câmbio fixo do SME, teria defendido perversamente aquela taxa de câmbio.

E foi assim que Carlo Azeglio Ciampi esvaziou os cofres do Banco da Itália por um montante igual a 48 bilhões de dólares, esbanjando as reservas do banco central italiano e fazendo assim a fortuna de um especulador estrangeiro.

Um especulador que estava agindo com uma agenda bastante precisa e clara. A de economicamente atacar os Estados europeus e favorecer o que logo seria o saque de 2 de junho de 1992 , oficiado a bordo do iate Britannia pelo então diretor-geral do Tesouro, Mario Draghi [dragões . . .].

Foi nessa noite que homens como Soros puseram as mãos nos tesouros da Itália vendidos a preço de banana por Mario Draghi, que foi recompensado nos anos seguintes com um emprego no Goldman Sachs primeiro e depois como governador do Banco Central Europeu .

Os enormes lucros obtidos com as especulações de Soros foram então reinvestidos na agenda de subversão que visa a desintegração dos Estados-nação onde for possível atacar suas soberanias.

As origens de Soros e sua relação com os Rothschilds

Mas George Soros não se tornou um dos financiadores mais agressivos do planeta do nada. Para traçar as origens de sua fortuna, é necessário ir ainda mais longe do que 1992 e olhar para o início dos anos 70, quando o financista, ainda desconhecido do grande público, colaborou com seu colega de Arnold & S. Bleichroeder, uma holding controlada pela famosa, ou melhor, infame família de banqueiros judeus khazares Rothschild.

Então, nos anos seguintes, quando o bilionário americano decide fundar o Quantum Fund, ele o faz junto com Georges C. Karlweis, que dirigia o NM Rothschild & Sons LTD, o banco Rothschild em Londres.

Esta informação faz parte de uma reconstrução muito interessante e uma investigação minuciosa realizada nos anos 90 por Paolo Raimondi que na época apresentou inúmeras queixas e denúncias para denunciar o saque da indústria italiana pela mão da rede desta dinastia bancária que domina [o hospício da] a Europa há dois séculos, mas dos quais o homem comum da rua praticamente nada sabe.

Atrás de cada banco e de cada homem que trabalha para os bancos mais poderosos do planeta, sempre há um rastro deixado pelos Rothschilds.

Pode-se dizer que aqueles que trabalham nos níveis mais altos do mundo financeiro anglo-saxão não passam de emissários dos judeus khazares Rothschild e George Soros é certamente um deles.

No entanto, foi confiada a Soros a tarefa de administrar os cofres que financiam a agenda dessas forças que consideram inimigos todos aqueles que se opõem à centralização do poder do nível nacional ao transnacional. E é por esta razão que Geoffrey Jones, professor de história das finanças em Harvard, cunhou a definição de “estadista sem estado” para o magnata é bastante adequada.

Soros deve cuidar dos interesses daqueles poderes que querem construir um estado global que remova todos os outros atores e deixe apenas esta estrutura autoritária central controlada pelas finanças Rothschild em cena com o controle final do planeta inteiro.

A exteriorização final e brutal das agendas “Great Reset”, “Revolução Verde”, ESG, 4ª Revolução Industrial, “Build Back Better”, Transhumanismo, Transgenerismo, etc, ‘basicamente’.

É por isso que Soros pode ser definido como uma espécie de Adam Weishaupt moderno, o fundador da sociedade secreta dos Illuminati da Baviera, em 1º de maio de 1776, que no final do século XVIII espalhou na Europa aquele espírito revolucionário do Iluminismo que deu origem à revolução francesa e mundo liberal moderno. Ele não passava de um ‘mensageiro’ da dinastia dos Rothschilds.

Soros e Weishaupt nada mais são do que dois mestres de cerimônias da agenda revolucionária que quer apagar todos os vestígios remanescentes de identidade e tradições das nações para fundir tudo em uma poça caótica chamada “caldeirão” que é a expressão máxima do caos desejado pela NWO.

É isso que George Soros vem fazendo há mais de 30 anos. Alimente o espírito da revolução e conspira contra a soberania e a independência das nações.

As revoluções coloridas nada mais são do que a expressão desses processos revolucionários desencadeados por Soros et caterva para eliminar aqueles atores que se mostram um obstáculo ao cumprimento dos planos e agendas dos “poderes” que ele representa.

A Ucrânia é apenas um dos exemplos mais notórios que podem ser dados a esse respeito. Ele foi o pai do Euromaidan, o golpe que levou à derrubada do então presidente Yanukovych em 2014 . Foi sua rede de ONGs que teceu o fio da subversão que mergulhou a Ucrânia no caos e permitiu o estabelecimento de um brutal regime pró-nazista paradoxalmente num pais dirigido por um judeu khazar, Volodimir Zelenky.

E é também neste aspecto que se reconhece a diferença entre o mundo liberal ocidental e o oriental. O Ocidente liberal e suas instituições democráticas são dominados pelos cordões bancários e financeiros. O Ocidente fez do liberalismo um totem pagão a ser venerado [com seu bezerro de ouro na figura do touro de Wall Street em N. York] e substituiu o cristianismo por ele.

O resultado está aí para todos verem. A Europa é dominada por uma organização, a União Europeia, que apesar do seu nome não tem nada de europeu porque nega todos os seus valores fundamentais.

E é em lugares como Bruxelas, desconhecidos da opinião pública europeia, que se definem as políticas dos Estados-Membros que, em vez de as rejeitar, as aplicam ao pé da letra à custa das mais ferozes carnificinas sociais, como já aconteceu em Grécia e na Itália então.

E é nestes locais que financiadores como Soros, fundador da Open Society são recebidos com todas as honras e convidados a falar oficialmente no Parlamento Europeu. Aquele Parlamento Europeu que é largamente manipulado diretamente por oligarcas como Soros que ordenou a compilação de uma lista de deputados europeus mais próximos da sua causa .

Em Moscou e Budapeste as coisas são diferentes. As ONGs do magnata judeu lhazar foram banidas.  Soros é visto como sempre foi. Uma ‘persona non grata’ praticante da subversão internacional cujo único objetivo é minar a soberania dos Estados-nação e derrubar os governos daqueles que decidem não obedecer a agenda globalista e da NWO.

Fora do Ocidente, decidiu-se não desistir de sua identidade para abraçar a sociedade aberta dos apátridas. Soros existe no Ocidente porque foi o liberalismo do hospício ocidental que permitiu que esses psicopatas inimigos da Europa penetrassem em todas as instituições políticas para corrompe-las em seu âmago.

A reconquista da independência das nações afetadas por este veneno liberal passa, pois, necessariamente pela renúncia ao liberalismo ‘acordado’, etc. . . como já se fez na Rússia, na Hungria e outro países [Brasil será o próximo]. O fim do liberalismo trará o fim de tipos nefastos e de alma negra, os vampiros das nações como o khazar Soros, os khazares Rothschild e de todos os sinistros herdeiros de idiotas como Adam Weishaupt.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *