Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ataque Militar da Rússia à Ucrânia: como chegamos a esse ponto

Moscou diz que a situação atual é resultado de anos de negociações fracassadas para acabar com o derramamento de sangue no leste da Ucrânia após o golpe de 2014 em Kiev. A Rússia começou a atacar alvos militares na Ucrânia na manhã de quinta-feira, dias depois de reconhecer a independência das duas repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk. Moscou insiste que está protegendo o povo da região separatista de Donbass da agressão de Kiev e que foi forçada a recorrer a meios militares depois que a Ucrânia abandonou a diplomacia em seu conflito civil no leste.

O corrupto ESTABLISHMENT fará qualquer coisa para impedir que sites como o nosso revelem a verdade. A mídia corporativa Big Tech faz isso desmonetizando sites como o meu, bloqueando o site da receita de publicidade. Se você receber e perceber algum valor real deste site, mantenha-o funcionando com uma doação.


Ataque Militar da Rússia à Ucrânia: como chegamos a esse ponto [após o ocidente jogar a Ucrânia “debaixo” do ônibus]

Fonte: Rússia Today

A escalada e o conflito direto com a Ucrânia segue anos de negociações malsucedidas, acordos de cessar-fogo quebrados e um impasse entre a Rússia e o Ocidente ligado ao golpe de 2014 que derrubou o governo em Kiev, tudo agravado pela incitação do ocidente para admitir a Ucrânia na OTAN colocando em risco as fronteiras da Rússia

Aqui estão os principais eventos dos últimos oito anos que levaram a eclosão desse conflito após a Ucrânia “ouvir o canto da sereia” dos EUA-OTAN e virar às costas para os interesses da Russia:

Protestos ‘Euromaidan’ em Kiev terminam com golpe [criado por agentes da CIA] apoiado pelo Ocidente

As manifestações em massa em Kiev, que mais tarde ficaram conhecidas como protestos ‘Euromaidan’ ou simplesmente ‘Maidan’, o nome da praça onde foram realizados, começaram no final de 2013, depois que o então presidente Viktor Yanukovich decidiu adiar a assinatura de um acordo de associação da UE. Os protestos inicialmente pacíficos foram acompanhados por nacionalistas linha-dura e se transformaram em tumultos violentos em Kiev e tomadas de prédios administrativos em toda a Ucrânia. 

Em fevereiro de 2014, “facções pró-ocidentais” derrubaram o governo de Yanukovich, e funcionários com uma notável postura pró-UE e anti-Moscou e chegaram ao poder. Enquanto os eventos de Maidan receberam amplo apoio nas partes ocidentais da Ucrânia, as regiões leste e sul, que têm uma grande população de língua russa e fortes laços históricos e étnicos com a Rússia, se manifestaram fortemente contra os eventos em Kiev. Em cidades como Odessa, os protestos anti-Maidan logo foram violentamente reprimidos.

Crimeia aprova troca da Ucrânia pela Rússia

A República da Crimeia e a cidade de status especial [porto militar] de Sebastopol, que havia hospedado continuamente uma base naval russa, apesar de toda a península ter sido transferida para a Ucrânia pelo governo soviético em 1954, responderam ao golpe de Kiev realizando um referendo em março de 2014. A Crimeia votou esmagadoramente para se separar da Ucrânia e se juntar à Rússia. 

Mais tarde, Moscou admitiu que usou suas forças estacionadas na região para garantir a segurança durante os eventos de março, enquanto as tropas ucranianas trocaram de lealdade ou deixaram a península do Mar Negro sem incidentes. Kiev se recusou a reconhecer o voto e a reabsorção da Crimeia pela Rússia e pela vontade de seus habitantes, assim como a maioria dos países ao redor do mundo. Os “aliados ocidentais” do novo governo ucraniano impuseram restrições às autoridades de Moscou e da Crimeia, iniciando a guerra de sanções olho por olho.

Conflito eclode em Donbass

Em abril de 2014, duas regiões na área histórica de mineração de Donbass declararam independência de Kiev. O governo ucraniano respondeu à formação das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk (DPR e LPR) lançando o que chamou de “operação antiterrorista”. Os recém-formados “batalhões” de combatentes voluntários, muitos deles com antecedentes nacionalistas, acompanharam as tropas enviadas para lidar com os rebeldes. 

O ataque se estendeu por meses de combates, com bombardeios pesados ??nas cidades de Donetsk e Lugansk, e vítimas civis e pesadas perdas relatadas em ambos os lados. Ambas as forças de Kiev e Donbass acusaram-se mutuamente de crimes de guerra. O governo ucraniano acusou a Rússia de dirigir a “agressão”, mas Moscou insistiu que suas tropas nunca entraram no Donbass.

Acordos de cessar-fogo em Minsk encerram combates em larga escala

Embora a luta no Donbass nunca tenha cessado completamente, em grande parte parou após os acordos negociados internacionalmente assinados em Minsk, Bielorrússia. Sob o segundo acordo de cessar-fogo entre o governo ucraniano e os rebeldes intermediado pela Rússia, França e Alemanha em fevereiro de 2015, Kiev prometeu uma reforma de descentralização, proporcionando ampla autonomia às regiões orientais, algo que nunca cumpriu. A Organização para Segurança e Cooperação na Europa deslocou sua equipe de monitoramento ao longo da “linha de contato” que separa o exército ucraniano das forças DPR-LPR.

Sem reforma, sem paz para Donbass

Kiev e as repúblicas separatistas se acusaram repetidamente de violar os acordos de Minsk, mas, crucialmente, as reformas prometidas nunca se concretizaram. O governo ucraniano continuou a rotular os funcionários da DPR e da LPR como “terroristas” e descartou quaisquer negociações diretas, enquanto novas rodadas de negociações no mesmo ‘Formato Normandia’ não produziram resultados tangíveis. 

Em fevereiro de 2022, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse que “não estava satisfeito com todas as disposições” dos acordos, alegando que Kiev e Moscou viam sua implementação de forma diferente. A Rússia acusou Kiev de abandonar completamente o acordo, enquanto os bombardeios transfronteiriços continuavam. Mais de 13.000 pessoas foram mortas no conflito entre 2014 e 2020, segundo a ONU.

Estrada para escalada em Donbass

No final de 2021 e início de 2022, as alegações de um ataque iminente em grande escala se intensificaram tanto em Kiev quanto nas repúblicas separatistas. Os aliados ocidentais da Ucrânia acusaram Moscou de planejar uma operação militar não provocada que veria grandes áreas do país ocupadas e sua capital tomada, enquanto o Kremlin continuava a desmentir as alegações e, por sua vez, acusava Kiev de planejar um ataque no Donbass.

Na semana passada, autoridades em Donetsk e Lugansk acusaram o exército ucraniano de lançar artilharia pesada através da fronteira. O DPR e o LPR responderam com uma evacuação em larga escala de civis para a Rússia e declararam a mobilização de todos os homens em idade militar. A Ucrânia negou que estivesse planejando um ataque total às repúblicas separatistas, culpando o DPR e o LPR pelas violações do cessar-fogo.

Rússia reconhece repúblicas do Donbass

Os líderes da DPR e da LPR apelaram ao Kremlin na segunda-feira para reconhecer as duas repúblicas como estados independentes. O presidente russo, Vladimir Putin, assinou o reconhecimento no mesmo dia, citando o que ele disse ser a incapacidade da Ucrânia de implementar os acordos de Minsk e os contínuos ataques a Donetsk e Lugansk. Putin também assinou tratados de amizade com a DPR e a LPR, que incluíam a prestação de assistência militar.

Moscou lança ‘operação militar’ na Ucrânia

Na quarta-feira, as repúblicas do Donbass pediram à Rússia que os ajudasse a repelir a “agressão” das tropas ucranianas. Putin respondeu anunciando uma “Operação Militar Especial” contra a Ucrânia na manhã dessa quinta-feira. Ele alegou que queria proteger o povo do Donbass do que descreveu como “genocídio” e buscou a “desmilitarização e desnazificação” da Ucrânia. 

O presidente da Rússia não revelou o alcance da operação nem quanto tempo ela vai durar. O Ministério da Defesa russo disse em um breve comunicado que estava realizando “ataques de precisão” [com mísseis] contra alvos militares ucranianos, sem especificar sua localização. Autoridades ucranianas e meios de comunicação relataram ataques em cidades de todo o país, bem como supostas incursões de soldados russos e veículos blindados vindo de várias direções. Moscou não confirmou nem negou que suas tropas terrestres cruzaram as fronteiras da Ucrânia. Kiev declarou lei marcial e fechou seu espaço aéreo para voos civis. Zelensky disse que Kiev estava cortando relações diplomáticas com Moscou.

RELACIONADOS:

O que vem depois?

Na quinta-feira, Putin disse que as tropas russas “não planejam ocupar territórios ucranianos”. No entanto, falando a repórteres na terça-feira, ele disse que Moscou reconheceu todas as ex-regiões administrativas de Donetsk e Lugansk da Ucrânia como DPR e LPR. Ambas as regiões são parcialmente controladas pelas forças ucranianas desde 2015.

Depois de anunciar a mobilização na Ucrânia, Yuri Maximov, um alto oficial militar em Kiev, disse que 46.000 reservistas se juntariam ao exército, polícia e guardas de fronteira ucranianos. Enquanto isso, o presidente Zelensky tem pedido a seus aliados ocidentais que imponham sanções abrangentes à Rússia. 

A UE, o Reino Unido e os EUA anunciaram seus pacotes de medidas anti-russas ainda nesta quinta-feira. O bloco da OTAN, liderado pelos EUA, disse que não enviará tropas para a Ucrânia. Após uma reunião de emergência na quinta-feira, ele disse que, em vez disso,“tomar medidas adicionais para fortalecer ainda mais a dissuasão e a defesa em toda a aliança”. Moscou havia citado anteriormente a expansão da OTAN para o leste e a potencial adesão da Ucrânia como uma das principais razões para o lançamento de sua operação militar atual.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *