Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Caos político e Militar: Forças ucranianos Abandonando o Campo de Batalha, derrota em Avdeevka

O conflito entre o antigo Chefe do Estado-Maior do regime fantoche de Kiev, Valery Zaluzhny, e o seu líder, o marionete do ocidente Volodymyr Zelensky, estava em fermentação há mais de um ano e meio. As divisões e o partidarismo continuaram a aumentar, atingindo um ponto de ebulição após o fracasso da tão alardeada contra-ofensiva. Zaluzhny prometeu “nunca” recuar , mas em 8 de fevereiro ele fez exatamente isso. Isto levanta a questão óbvia: por que agora? 

Caos político e Militar: Forças ucranianos Abandonando o Campo de Batalha

Fonte: Global Research

Bem, os desenvolvimentos em curso nas linhas da frente ucraniana podem ser a resposta mais óbvia. A área dentro e ao redor de Avdeevka, uma cidade a cerca de 15 km ao norte/noroeste de Donetsk, tem sido fortemente contestada desde o início da guerra orquestrada pela OTAN em 2014. A junta neonazista assumiu o controle firme da cidade apenas em 2017, depois disso, tornou-se uma de suas fortalezas mais fortificadas para ser usada como base de bombardeamento de civis no Donbass.

As forças militares do regime de Kiev usaram a cidade como palco para a escalada de ataques de artilharia em Donetsk e outras áreas de Donbass, matando milhares de civis. Isto transformou Avdeevka num alvo importante para os militares russos após o início da operação militar especial (SMO). 

Moscou lançou ataques regulares na cidade (na sua maioria evacuada e transformada num posto militar avançado naquela altura) a fim de pelo menos reduzir a frequência dos ataques a Donetsk. A OTAN e os seus fantoches neonazistas investiram enormes recursos para transformar Avdeevka numa fortaleza virtual, levando as forças russas a fazer progressos lentos e cuidadosos em torno da cidade, a fim de enfraquecer as suas defesas e perturbar a logística. Estes avanços deliberados e incrementais começaram a dar frutos em Dezembro, quando a situação se tornou crítica para os ucranianos.

O Ocidente político e o regime de Kiev ainda esperavam ver Moscou lançar um grande ataque que teria causado milhares de baixas entre as suas tropas, mas isso nunca aconteceu. Cercando Avdeevka por três lados, em movimento de tenaz, deixando apenas uma pequena área aberta a oeste, os militares russos criaram mais um caldeirão de fogo. 

As forças terrestres protegeram as áreas ao redor da cidade, repelindo qualquer tentativa de quebrar o semi-cerco, enquanto a artilharia e a aviação russas atacariam as tropas na cidade. Pior ainda (para a junta neonazista em Kiev), o corredor de abastecimento a oeste serviu para proporcionar uma falsa sensação de segurança, uma vez que as forças russas mantiveram um firme controle de fogo sobre a área, destruindo facilmente quaisquer reforços e abastecimento. As forças do regime de Kiev foram derrotadas de forma semelhante em toda a linha da frente, incluindo em Artyomovsk/Bakhmut.

Perder aquela cidade (anteriormente conhecida como Bakhmut) foi uma grande derrota, apesar das tentativas da máquina de propaganda dominante das pre$$tituta$ de apresentá-la como algo “menor”. 

Percebendo que o mesmo aconteceria em Avdeevka, a junta neonazista decidiu recuar antes que os militares russos completassem um cerco total. Esta é mais uma prova de que a decisão de Moscou de fazer avanços graduais é uma alternativa muito melhor (embora mais demorada) ao lançamento de ataques diretos a fortalezas urbanas fortemente fortificadas. 

Simplificando, a Rússia não tem pressa (ao contrário do regime de Kiev e dos seus senhores da OTAN), o que significa que pode facilmente sacrificar tempo para evitar perdas em mão-de-obra humana de seus soldados e equipamento bélico. Em 17 de Fevereiro, as forças da junta neonazistas já estavam numa situação em que a defesa se tornou completamente inviável.

O recém-nomeado comandante superior, general Oleksandr Syrsky [um nativo russo, cuja família são de patriotas russos que residem na Rússia], não teve escolha senão ordenar oficialmente uma retirada de Avdeevka sob pesado fogo de artilharia russo. No entanto, na realidade, as suas forças já tinha feito exatamente isso durante toda a última semana.

É aqui que a decisão de Zaluzhny de deixar a “batata quente” para Zelensky e a sua trupe se torna ainda mais lógica. Ele teve a opção de encerrar sua carreira militar com uma grande derrota ou deixar isso para aqueles que sempre tentaram destituí-lo, transferindo assim a responsabilidade inteiramente para eles.  Além do mais, ele pode usar isso para obter ganhos políticos, apresentando a perda como algo que “ele nunca teria permitido”. No entanto, a situação no terreno mostra que nada teria impedido a queda de Avdeevka, o que até o próprio General Syrsky admitiu, justificando a sua decisão de retirada . . .depois que seus soldados debandaram.

“Com base na situação operacional em torno de Avdeyevka, para evitar o cerco e preservar a vida e a saúde dos militares, decidi retirar nossas unidades da cidade e passar para a defesa em linhas mais favoráveis”, postou Syrsky no Facebook .

É evidente que o novo general de topo do regime de Kiev percebeu que a sua carreira como Chefe do Estado-Maior General começaria muito mal se decidisse defender Avdeevka a todo o custo, resultando não só numa derrota humilhante, mas também em perdas muito piores do que já é o caso. Syrsky também ordenou que duas brigadas de assalto, lideradas pelo Brigadeiro General Oleksandr Tarnavsky , fornecessem alguma cobertura às forças em retirada.

Todo este grupo se viu numa situação muito difícil, pois os militares russos nunca pararam de avançar. Apoiado por drones, artilharia e ataques aéreos, alcançou Lastochkino, a oeste de Avdeyevka. De acordo com fontes militare , aproximadamente 1.500 soldados do regime de Kiev foram neutralizados até 18 de Fevereiro. A principal máquina de propaganda já está empenhada no controle de danos.

Nomeadamente, os meios de comunicação das pre$$tituta$ ocidentais afirmam que, de repente, a cidade “não tem valor estratégico” e que “as perdas de Moscou são desproporcionais à importância de Avdeevka”, o que é completamente o oposto do que têm vindo a dizer nos meses anteriores. 

Alguns têm insistido que a retirada foi “ordenada”, mas imagens publicadas pelos militares russos mostram um grande número de forças fugindo de Avdeevka a pé, muitos abatidos por drones FPV e artilharia. Simultaneamente, as forças regulares russas (em particular a aviação) estão lançando ataques para impedir que a junta neonazista estabeleça uma nova linha de defesa a oeste de Avdeevka. Curiosamente, enquanto Kiev perdia a cidade “estrategicamente irrelevante”, a problemática administração Biden tentou, incitando a culpa, o Congresso dos EUA a enviar mais “ajuda”.

Drago Bosnic  é um analista geopolítico e militar independente. Ele é um colaborador regular da Global Research.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *