Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Cientistas da Universidade de Boston (EUA) Criam Nova Cepa Covid com 80% de Letalidade

Pesquisadores da Universidade de Boston criaram uma nova cepa de Covid-19 que tem uma taxa de mortalidade de 80% em camundongos humanizados. Os cientistas afirmam ter criado uma nova variante do Covid-19 com uma taxa de mortalidade de 80%, combinando a variante Omicron altamente transmissível do coronavírus com a cepa original de Wuhan. A pesquisa, que ecoa experimentos que se acredita terem criado o vírus original em laboratório, causou indignação generalizada.

Universidade de Boston cria nova cepa COVID com 80% de mortalidade em camundongos

Fontes: Russia TodayZero Hedge

Em um pseudo “esforço” para pesquisar o que torna o Omicron tão transmissível [mesmo não apresentando letalidade elevada] – e financiado em parte por patrocínios do NIH e do NIAID de Anthony Fauci , os pesquisadores da Universidade de Boston combinaram a proteína Omicron com a cepa original do Covid-19. O vírus resultante foi cinco vezes mais infeccioso que o Omicron.

“A proteína Omicron spike (S), com um número incomumente grande de mutações, é considerada o principal impulsionador desses fenótipos. Geramos SARS-CoV-2 recombinante quimérico que codifica o gene S de Omicron na espinha dorsal de um SARS-CoV ancestral -2 isolou e comparou esse vírus com a variante Omicron de circulação natural”, diz a pré-impressão.

Quantas vezes os virologistas disseram que não estavam tornando os vírus SARS quiméricos mais mortais? Quantos??? A última pré-impressão mostra que eles fizeram um gene quimérico SARS-CoV-2 w Omicron S e uma espinha dorsal ancestral SARS-CoV-2 que mostrou 80% de mortalidade em camundongos humanizados”.

Em um artigo de pesquisa publicado na semana passada, os cientistas explicaram que isolaram a proteína spike da variante Omicron e a combinaram com a “espinha dorsal” da cepa original que circulou no início de 2020. Isso criou um vírus que “escapa de forma robusta da imindade induzida por vacina …” e inflige “doença grave” em camundongos de laboratório, 80% dos quais morreram durante os testes, afirmou o jornal.

Embora a equipe tenha admitido que sua cepa mutante provavelmente seria menos mortal em humanos do que em camundongos, eles descobriram que ela produziu cinco vezes mais partículas de vírus em células pulmonares humanas cultivadas em laboratório quando comparadas à variante Omicron.

A pesquisa ainda não foi revisado por pares e foi conduzida por uma equipe de Boston e Flórida..

As notícias da pesquisa causaram indignação on-line, pois acredita-se amplamente que pesquisas semelhantes de ‘ganho de função’ – um termo que descreve a alteração de um patógeno para aumentar sua potência – no Instituto Wuhan de Virologia na China levaram a criação do vírus Covid-19, da pandemia global. Os EUA financiaram essa pesquisa no Instituto Wuhan, embora ainda não esteja claro se o coronavírus específico que causou a pandemia se originou no laboratório chinês.

“Isso deveria ser totalmente proibido, é brincar com fogo”, disse Shmuel Shapira, ex-chefe do Instituto de Pesquisa Biológica de Israel, sobre os experimentos de Boston. “Quantas vezes os virologistas disseram que não estavam tornando os vírus SARS quiméricos mais mortais? Quantas ???” o repórter Paul Thaker twittou .

A equipe de Boston não são os únicos cientistas que retornam a pesquisas potencialmente perigosas após a pandemia. A EcoHealth Alliance, empresa privada responsável por grande parte da pesquisa de ganho de função do vírus covid original no Instituto Wuhan antes de 2020, recebeu uma doação de US$ 650.000 dos EUA no mês passado para estudar “o potencial para o futuro surgimento de coronavírus de morcego em Mianmar, Laos e Vietnã .”

Os pesquisadores também analisaram o efeito de diferentes cepas nas células pulmonares humanas cultivadas em laboratório – às quais o Covid se apega antes de instruir as células saudáveis ??a fazer cópias de si mesmas. Eles descobriram que a nova cepa modificada produz cinco vezes mais partículas virais do que a cepa Omicron original (à qual todos os roedores sobreviveram).

Este estudo fornece informações importantes sobre a patogenicidade do Omicron. Mostramos que o pico, a proteína mais mutada em Omicron, tem um papel incompleto na atenuação de Omicron. Em ensaios de infecção in vitro, o ancestral SARS-CoV-2 (Omi-S) com picos Omicron exibe uma eficiência de replicação muito maior em comparação com o Omicron. Da mesma forma, em camundongos K18-hACE2, Omi-S contrasta com Omicron não fatal e causa uma doença grave que leva a cerca de 80% de mortalidade. Isso sugere que as mutações fora do pico são os principais determinantes da patogenicidade atenuada de Omicron em camundongos K18-hACE2. Mais estudos são necessários para identificar essas mutações e decifrar seus mecanismos de ação. – Biorxiv

De acordo com os cientistas, no entanto, é improvável que seu vírus quimérico seja tão mortal em humanos quanto em camundongos, porque a raça específica usada nos testes é mais suscetível ao Covid grave.

No ano passado, informamos que 18 meses antes da pandemia, cientistas em Wuhan, na China, apresentaram uma proposta para liberar coronavírus aprimorados no ar na natureza, em um esforço para inoculá-los contra doenças que poderiam ter saltado para humanos, de acordo com o The Telegraph, citando vazamentos do vírus em 2018.

A oferta foi apresentada pelo zoólogo Peter Daszak, da EcoHealth Alliance, com sede nos EUA, que esperava usar a engenharia genética para remendar “locais de clivagem específicos para humanos” no morcego Covid ‘o que facilitaria a entrada do vírus nas células humanas’ – um método que coincidentemente responderia a uma pergunta de longa data entre a comunidade científica sobre como o SARS-CoV-2 evoluiu para se tornar tão infeccioso para os seres humanos.

A proposta de Daszak também incluiu planos para misturar cepas naturais de coronavírus de alto risco com versões mais infecciosas, mas menos mortais. Sua ‘equipe de pesquisadores de morcegos’ incluía a Dr. Shi Zhengli, do Instituto de Virologia de Wuhan, bem como pesquisadores americanos da Universidade da Carolina do Norte e do Centro Nacional de Saúde da Vida Selvagem do Serviço Geológico dos EUA.

A nefasta agência Darpa recusou o contrato – dizendo: “Está claro que o projeto proposto liderado por Peter Daszak poderia colocar as comunidades locais em risco”, alertando que Daszak não considerou totalmente os perigos envolvidos no aprimoramento do vírus ou liberando uma vacina no ar por meio de pesquisa de ganho de função.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *