Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

De greves dos caminhoneiros à Queda da Internet – só há uma maneira de sobreviver a uma Crise de Escassez de Alimentos

Se há uma realidade que todos precisam aceitar é que cada sistema tem um ponto de ruptura e não há exceções. Os seres humanos foram construídos para se adaptarem e isso deu-nos uma resiliência incrível, mas também significa que temos uma tendência a esperar demasiado tempo para consertar as partes da nossa sociedade que estão quebradas. Em vez disso, deixamos os problemas crescerem e piorarem até que, infelizmente, a gota d’água cai e tudo desaba.

De greves dos caminhoneiros à Queda da Internet – só há uma maneira de sobreviver a uma Crise de Escassez de Alimentos

Fonte: Alt-Market.us – De autoria de Brandon Smith

Às vezes, esse colapso é acidental e às vezes é intencional [como esta sendo intencionalmente fabricado na atualidade]. Em ambos os casos, o catalisador é o mesmo – o público não se prepara e não toma medidas para corrigir as pessoas e a situação que estão criando a crise até que seja [sempre] tarde demais.

Na nossa era moderna de tecnologia invasiva, fraqueza econômica, armas nucleares, pandemias e vacinas falsas e guerra biológica, este é um modelo insustentável. Não podemos continuar a ignorar as ameaças à instabilidade na esperança de que estas desapareçam ou de que os governos neutralizem o perigo, nem podemos simplesmente juntar os cacos repetidamente após enfrentarmos cada calamidade.

Pode chegar um momento em que a bagunça será tão grande que não conseguiremos limpá-la. Os mais conscientes devem planejar com antecedência e devem parar de tolerar a noção de envolvimento passivo nos mecanismos que influenciam as suas vidas e o seu futuro.

Escrevo frequentemente sobre eventos desencadeadores hipotéticos e cenários de ruptura porque um grande número de pessoas ainda precisa ser informada sobre o quão frágil é realmente o mundo ocidental neste momento. Por exemplo, qualquer perturbação significativa nas cadeias de abastecimento e na logística neste momento seria devastadora para um grande número de americanos (ou europeus).

Só nas últimas semanas tem havido uma onda crescente de descontentamento político entre os caminhoneiros norte-americanos; as mesmas pessoas que são responsáveis para com o transporte de mais de  70% de todas as cargas  em nosso país. Ameaçaram boicotar uma série de cidades controladas pelos Democratas (principalmente a cidade de Nova Iorque) devido a uma série de questões e reclamações, incluindo o tratamento legal do candidato presidencial republicano Donald Trump.

Este boicote pode não se concretizar a curto prazo (fique atento aos rumores de que os boicotes aumentarão em Novembro, perto da época das eleições), mas o potencial está em cima da mesa e é um importante momento de aprendizagem. O que aconteceria se o sistema de transportes dos EUA realmente parasse?

As cadeias de abastecimento do país operam com um cronograma de frete “just in time” – o que significa que todos os supermercados em sua área terão estoque suficiente para atender às operações comerciais normais por cerca de uma semana, quando a próxima frota de caminhões chegar.

A estrutura just-in-time é a força vital da cadeia de abastecimento, e a maioria das cidades americanas cairia no caos depois de uma semana sem ela funcionar. O transporte de mercadoria por caminhões e as redes ferroviárias movimentam cerca de 28% do total de mercadorias e têm enfrentado um longo estado de declínio. Não há nenhuma alternativa realista aos caminhões.

A FEMA e a Guarda Nacional poderiam tentar contratar motoristas para preencher a lacuna, mas considere o seguinte: existem atualmente 3,5 milhões de motoristas de transporte de mercadorias nos EUA, e esse número já é pelo menos  80.000 motoristas ABAIXO do necessário. Você acha que o governo ou os militares serão capazes de criar fura-greves suficientes para minar uma greve de caminhoneiros contra as cidades [os hospícios “acordados” administrados pelos democratas] azuis? Não há chance.

Devo dizer que não me oponho ao conceito de boicote aos caminhoneiros; é uma reparação pacífica de queixas e todas as medidas pacíficas devem ser esgotadas primeiro. Tudo o que eles precisam fazer é recusar-se a aceitar remessas para lugares como Nova York, Chicago ou Washington DC – muitos deles são subcontratados que podem escolher os trabalhos que desejarem.

No entanto, precisamos ter em mente o quão aterrorizado o governo canadense do pusilânime PM Justin [Davos’s Boy] Trudeau ficou durante os protestos dos caminhoneiros do “Freedon Convoy”; tão aterrorizados que rotularam os caminhoneiros de terroristas e começaram a congelar as suas contas bancárias de quem os apoiava. Esta ação foi contra as suas próprias leis constitucionais; é assim que uma paralisação de frete é efetivamente assustadora para os políticos.

Mesmo assim, se o governo dos EUA respondesse da mesma forma que o do Canadá, ainda assim não faria muito para impedir um boicote. As tensões são extremamente elevadas e é apenas uma questão de tempo até que o conflito irrompa de uma forma ou de outra. A esquerda política (e os seus manipuladores globalistas) não ofereceram qualquer indicação de que pretendem afastar-se do seu atual caminho destrutivo. Algo tem que acontecer. Por que não um protesto de caminhoneiros ou um protesto estadual vermelho [republicano] cortando recursos vitais das regiões azuis [democratas] ?

Infelizmente, ainda há uma série de conservadores e independentes vivendo nestas cidades que poderiam ser negativamente afetados por uma paralisação do transporte de mercadorias, juntamente com os seus vizinhos progressistas. Talvez esta greve nunca se concretize e tudo continue “normal”. Talvez não. A questão é que tudo pode acontecer e a forma como a nossa economia e as nossas cadeias de abastecimento funcionam atualmente não vai ser aprovada por muito mais tempo.

A família americana média tem comida suficiente para cerca de uma semana em sua despensa a qualquer momento. Com a resposta da FEMA implementada, um sistema de racionamento seria instituído ao longo de várias semanas, provavelmente usando um método de rastreamento digital muito semelhante a um cartão EBT. E não se engane, haverá restrições a qualquer programa de racionamento governamental:

Você tomou o último reforço Covid [ou o que substituí-lo]? Nenhum cartão de racionamento até que suas vacinas estejam em dia. Vemos que você registrou armas de fogo… você precisa entregá-las antes de conseguir rações. Vemos que você fez comentários problemáticos em seu histórico de mídia social, talvez você não seja elegível.”

São necessários cerca de 7 a 10 dias sem fornecimento de alimentos para que o pânico se instale na população (quando as pessoas finalmente percebem que as coisas não vão voltar ao normal). São necessárias duas semanas para que a fome tenha um impacto físico e três semanas para que as pessoas comecem a morrer. Motins e saques são inevitáveis, mas isso não resolverá o problema se não houver comida para saquear.

Algumas pessoas argumentarão que só precisam não estar onde há escassez de tudo [não será só de alimentos…], mas não há como prever isso. No caso dos boicotes conservadores dos caminhoneiros, as áreas visadas são óbvias, mas esse é apenas um cenário. Há uma série de eventos que podem causar a paralisação da cadeia de abastecimento tanto nas zonas rurais como nas urbanas, incluindo uma crise de imigração em massa ou um cenário de queda da rede elétrica e da internet [ou ambos] a nível nacional.

A única solução viável é garantir um plano de armazenamento de alimentos a longo prazo, e não se esqueça das proteínas, porque os governos ocidentais tornaram-se cada vez mais hostis contra o homem do campo, contra os agricultores, pecuaristas, suinocultores e avicultores que produzem TODOS os alimentos que consumimos nos dias de hoje.

O armazenamento de alimentos para cada família durante pelo menos um ano é essencial. Não precisa começar por aí; mesmo um mês de comida lhe dará uma grande vantagem sobre a maioria [dos zumbis desavisados] da população e garantirá que você não precise implorar alimentos aos organismos governamentais [em troca de sua liberdade]. Mas eventualmente será necessário um abastecimento para um ano ou mais (juntamente com uma organização comunitária para segurança mútua). Isto lhe dará tempo para estabelecer um plano alimentar mais permanente e sustentável depois que o pior acontecer.

Você pode ver a tempestade que uma falha logística causaria. Em 30 dias ou menos, uma cidade como Nova Iorque poderá ficar de joelhos e em CAOS absoluto [ESTA SITUAÇÃO vem sendo lentamente planejada em todos os grandes centros], mesmo com intervenção governamental. Em escala nacional, independentemente da causa, o resultado seria praticamente o mesmo. Em última análise, existem dois tipos de pessoas na sequência deste tipo de eventos – as pessoas CONSCIENTES que planejaram com antecedência e todas as outras.

A minha esperança é que através da educação e do encorajamento possamos convencer um número suficiente da população a preparar-se para que esta grande percentagem de americanos atue como uma redundância contra a catástrofe que está sendo programada (os esquerdistas “acordados” não ouvirão, mas talvez o público mais consciente o faça).

Por outras palavras, o objetivo é dar ao público uma imunidade natural contra o colapso das cadeias de abastecimentos, para que, quando a crise ocorrer, os efeitos e o caos sejam grandemente diminuídos.


2 respostas

  1. COM TUDO QUE TENHO VISTO E OUVIDO, DE UMA COISA ESTOU CERTO: O MELHOR INVESTIMENTO QUE ALGUEM PODE FAZER HOJE É EM ALIMENTOS NÃO PERECÍVEIS, MEDICAMENTO, ITENS DE HIGIENE E OUTROS, PORQUE ACREDITO QUE A CRISE ALIMENTÁRIA,NÃO É SE VAI ACONTECER, MAS SIM, QUANDO!

  2. Triste realidade e vemos a cada dia a proximidade da calamidade, o Brasil segue também nesta perspectiva com o desgoverno Lule e seus comparsas bilionários a custo da miséria da população, tempos dificeis de suportar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *