EUA Apoiam Genocídio palestino para Travar Movimento da Multipolaridade. Israel quer a III Guerra Mundial

O Hegemon [a Besta do G-7/OTAN/Khazares] está calculando custo de uma Terceira Guerra Mundial para travar a Multipolaridade emergente. Apoia o genocídio de Israel em Gaza como um mal necessário para vencer duramente na Ásia Ocidental, imaginando quem se importará quando a Guerra se tornar Global?

Fonte: The Cradle

O Fórum Econômico de São Petersburgo ( SPIEF ) acontece esta semana. É uma das reuniões anuais obrigatórias em toda a Eurásia. O tema geral em 2024 é “Multipolaridade”, bastante apropriado considerando que este é o ano da presidência russa dos BRICS. A reunião dos BRICS, em Outubro próximo, em Kazan, na Rússia, será crucial para traçar os contornos do roteiro rumo à multipolaridade global no futuro. 

Sim, aí está o problema [para a Besta do G-7/OTAN/Khazares]. Levando-nos à questão chave que os países da Maioria Global enfrentam: Como podemos permitir-nos sonhar com a multipolaridade quando estamos mergulhados no Impensável, reduzidos ao papel de meros espectadores, assistindo a um genocídio transmitido 24 horas por dia, 7 dias por semana, em todos os smartphones do planeta?

O – reconhecidamente imperfeito – Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) pelo menos ordenou aos genocidas [o “Povo Eleito”] bíblicos que parassem de bombardear Rafah. A resposta de Israel? Eles bombardearam Rafah. Pior ainda, queimaram crianças vivas em tendas de refugiados. Com mísseis americanos. 

E o genocídio continuará pelo menos até ao final deste ano multipolar, como alardeia a inteligência judeu khazar de Israel. A Maioria Global, pelo menos, agora vê claramente como funciona a “ordem internacional baseada em regras”. No entanto, isso não é um grande conforto. 

A ordem do TIJ para pôr fim à carnificina em Rafah, mais o esforço do TPI para obter mandados de prisão para os principais líderes khazares por crimes de guerra em série em Gaza, levaram previsivelmente o combo Israel-EUA a um frenesi histérico [por mais sangue]. 

O cerne da questão diz respeito aos verdadeiros mestres e administradores do Império do Caos e da Pilhagem – muito mais do que os seus humildes emissários. Os mestres não podem permitir que nenhuma instituição afrouxe o seu controle sobre a narrativa oficial.

A narrativa oficial é “não há genocídio em Gaza” e nenhuma “linha vermelha” foi ultrapassada. Este é o ditame oficial do [Hospício] Ocidente coletivo. Nenhuma violação é permitida. Ele irão a extremos inconstitucionais para impor o controle narrativo total [via PRE$$TITUTA$], com uma operação férrea de relações públicas e propaganda para envolver todo o planeta em camada após camada de estupor propagandístico [e manipulação dos fatos].   

Contradizendo ligeiramente Mao Zedong, o poder real não vem do cano de uma arma (ou de um míssil nuclear hipersônico); vem do controle narrativo, ou do que costumávamos chamar de “soft power”. A diferença agora é que o Hegemon [a Besta do G-7/OTAN/Khazares] não controla mais o soft power. A Maioria Global está aperfeiçoando, em tempo real, os seus próprios contra-ataques de “poder brando”.

Uma sociedade sistemicamente sociopata 

Os controladores narrativos poderão ainda ser capazes de obliterar fatos importantes da opinião pública ocidental, por exemplo, sobre a limpeza étnica em andamento na Faixa de Gaza. Os árabes cristãos têm sido sistematicamente alvo de limpeza étnica na Palestina. No início da década de 1950, Belém era 86 por cento cristã, um número que desde então caiu para uns sombrios 12 por cento hoje. Os psicopatas bíblicos khazares construíram um muro ao redor de Belém, anexaram terras para o benefício de colonos judeus armados e de cristãos etnicamente limpos.

Estudos sérios sobre o hiperetnocentrismo ou o carácter sistemicamente sociopata [e racista] da sociedade israelita [judeu khazar] não oferecem muito consolo quando se trata de pôr fim a um genocídio. 

Porque a ferida é muito mais profunda. Alastair Crooke, um antigo diplomata com vasta experiência no terreno, é incomparável entre os ocidentais no que diz respeito à compreensão das complexidades da Ásia Ocidental, vulgo Oriente Médio.  

Nas suas colunas e podcasts, ele aborda a principal ferida revelada pela guerra/genocídio em Gaza: o cisma, no coração do Ocidente, entre um “projeto de engenharia social iliberal” que se faz passar por liberalismo e um projeto para “recuperar o valores ‘eternos’ (por mais imperfeitos que sejam) que outrora estiveram por trás da civilização europeia.”

Para agravar o problema, as estruturas de poder EUA-Israel estão unidas pela cintura. E funcionam sob uma espécie de lógica complementar. Embora a versão de pilhagem de Israel esteja incorporada no colonialismo e imperialismo do Hegemon – como brilhantemente explicado por Michael Hudson – tem estado numa orgia de colonialismo financeiro rentista [controlada pelos banqueiros judeus khazares] desde o final da Segunda Guerra Mundial. 

E aquilo que Michael Hudson qualifica como a rede FIRE (finanças-seguros-imobiliários) calcificou-se, como observa Alastair, num “quadro permanente para o sistema político e geopolítico ocidental”.

Assim, não é de admirar que a Maioria Global veja instintivamente o combo Israel-EUA – que suporta diferentes formas de exploração/saque até ao genocídio – como o epítome do colonialismo, agora “suavizado” por uma operação de controle narrativo com “regras” sem sentido de uma ordem internacional baseada em regras”. 

Também não é de admirar que o genocídio de Gaza tenha desencadeado uma renovada onda anticolonial em toda a Maioria Global. 

Ainda assim, isso não é suficiente. Ninguém está realmente impedindo o genocídio. Isso só seria possível na prática infligindo uma derrota militar devastadora a Israel – com os vencedores a ditarem os termos da capitulação. Isso não é viável – pelo menos ainda não – e contribui para que os psicopatas bíblicos acreditem que podem escapar impunes de qualquer coisa.  

‘Um novo horizonte de sacrifício humano’

Andrea Zhok é professora de Filosofia Ética na Universidade de Milão e uma das principais intelectuais italianas independentes. Zhok  leva-nos mais longe no beco sem saída – apropriadamente trágico – agora contemplado pelo [Hospício do] Ocidente coletivo. 

O Ocidente sob o Hegemon, diz ela, só teve um Plano A. Não houve Plano B. Isso implica que o Ocidente continuará a aplicar todas as formas de Dividir para Governar contra as principais potências da Eurásia – Rússia, China e Irã. Zhok observa, corretamente, que a Índia [e o Brasil] está substancialmente sob controle. 

Esse é o cenário de encruzilhada em que nos encontramos agora. Olhando para o futuro, ou será uma Guerra Quente Aberta ou uma série de Guerras Híbridas entre grandes potências e os seus vassalos – essencialmente, a Terceira Guerra Mundial cinética. 

Zhok mostra como o Ocidente sob o Hegemon está agora obcecado em criar “feridas sistémicas” capazes de destruição cíclica. Para abrir estas “feridas”, existem dois procedimentos principais: a guerra e as “pandemias” [de vírus de laboratórios]. Ela argumenta que apenas “um novo horizonte de sacrifício humano” é capaz de permitir que a “Verdade Suprema” do Ocidente continue de pé sobre pés de barro. 

Na verdade, é este “novo horizonte de sacrifício humano” que está condicionando a não resposta do Ocidente – ou pior, a legitimação – do genocídio de Gaza. E isso está corroendo inexoravelmente a psique europeia a partir do seu interior. O que costumava ser chamado de civilização europeia – agora completamente vassalizada pelo Hegemon – poderá nunca mais ser curada do câncer. 

Se não bastassem estas provações e tribulações, mensageiros irracionais – sob ordens – estão ocupados aproximando-nos, dia após dia, de uma guerra nuclear . E alguns funcionários humildes até o admitem, à queima-roupa.   

Está tudo aqui, numa conversa entre o juiz Andrew Napolitano e os analistas Larry Johnson e Ray McGovern, durante a qual o primeiro se refere a um e-mail que recebeu de uma fonte militar/de inteligência. Isto é o que a fonte militar disse a ele: 

Hoje, ouvi uma extensa entrevista com um ex-oficial de inteligência das FDI [Israel]. A sua posição era clara: Estamos, disse ele, visando uma guerra mundial” (itálico meu). Israel, portanto, não deve deixar de implementar algumas das medidas mais radicais porque as suas ações serão medidas retroativamente no contexto do brutal conflito mundial que está por vir.

Isto deve ser visto como a explicação definitiva para a escalada frenética e ininterrupta dos Hegemon – Vassalos [da Besta do G-7/OTAN/Khazares] na entrelaçada frente das Guerras Eternas – de Gaza a Novorossiya. 

Isso inclui o genocídio – e os derivados do genocídio, como o esquema fraudulento de “ajuda” do porto de 320 milhões de dólares, agora transformado em  lixo na costa de Gaza, trazendo tudo de volta ao genocídio novamente, à medida que a estratégia de expulsar/transportar palestinos para o exterior tem miseravelmente fracassado.

Visando uma guerra mundial deixa bem claro quem está realmente comandando o show. E todo o mundo multipolar continua refém [da Besta do G-7/OTAN/Khazares].


4 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth