browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Guerra Mundial Econômico-Financeira: Quem Se Beneficia e Quanto Tempo Resta?

Posted by on 07/05/2022

Há muitos anos venho alertando sobre uma inevitável guerra econômica-financeira entre Oriente e Ocidente. A questão nunca foi uma questão de probabilidade, sempre foi apenas uma questão de tempo. Quando seria o momento mais conveniente para uma Terceira Guerra Mundial? A questão da “conveniência” pode parecer estranha, mas quero que os leitores se lembrem de uma regra: todas as guerras são guerras de banqueiros.

Guerra Mundial Econômico-financeira: Quem Se Beneficia e Quanto Tempo Resta?

Fonte: BirchGold.com – Por Brandon Smith

Não há nada que você não possa entender em termos de geopolítica, contanto que você aceite o fato de que os conflitos internacionais são geralmente planejados e sempre projetados para beneficiar um grupo específico de corretores de poder e as elites financeiras.

 Se você é uma daquelas pessoas que assumem que todos esses eventos são meramente “coincidências aleatórias e infelizes”, então você permanecerá no escuro [ignorante] pelo resto de sua vida – e nunca entenderá por que coisas terríveis estão acontecendo com você na medida em que o mundo desmorona. Você irá para uma sepultura precocemente porque não estava preparado enquanto ainda pensava que era a pessoa mais inteligente da sala.

Em meu artigo Ordo Ab Chao’: Guerra Rússia x Ucrânia foi Projetada para Beneficiar os Globalistas, descrevi os muitos fatores que ligam o Kremlin a instituições globalistas como o Fórum Econômico Mundial (WEF), o Banco de Compensações Internacionais (BIS), o Fundo Monetário Internacional (FMI), elitistas como Henry Kissinger e bancos internacionais como Goldman Sachs, JP Morgan, et caterva. A realidade é que a Rússia há muito se apega aos interesses globalistas e isso não vai mudar por causa da guerra na Ucrânia, assim como não mudou depois que a Rússia anexou a Crimeia.

A China é, claro, ainda pior quando se trata de conluio com instituições globalistas. A nação comunista acumulou trilhões de dólares em dívidas porque este é um pré-requisito para ingressar na cesta de moedas de Direitos Especiais de Saque (SDR) do FMI.  Sim, a China passou de uma nação de dívida mínima para trilhões no vermelho só porque o FMI exige “liquidez” para que a moeda de uma nação seja considerada viável para sua iniciativa de centralização global. Este não é o comportamento de um país que é antiglobalista e comunista.

Não vou continuar repetindo os fatos que cercam as nações orientais e suas ligações com os globalistas aqui. Já faço isso há mais de uma década e, francamente, cansei-me de ter que repetir as lições que pesquisadores brilhantes como Antony Sutton, habilmente, aprenderam antes de eu nascer. Se houver uma grande guerra, então há globalistas por trás dela influenciando ambos os lados e buscando ganhar mais poder e controle. Se você não descobriu isso até agora, então você nunca vai fazê-lo.

Aqui está o por que a guerra é boa para os banqueiros e globalistas

Por que arquitetar uma guerra? Simples – quando você joga os dois lados de um jogo de xadrez, você sempre acaba sendo o vencedor. Além disso, o caos resultante é a receita final para o avanço de agendas draconianas [reptilianas, literalmente] que o público nunca permitiria passar em tempos de paz.

O que quero examinar aqui é a questão do tempo e do desenvolvimento; como essa enorme guerra econômica vai se desenrolar e quanto tempo levará para acontecer? Uma vez que entendemos os estágios, talvez possamos nos preparar para o impacto e tomar ações para mudar o seu resultado em nossas vidas. O primeiro passo é reconhecer que a bola está na quadra das nações orientais e que suas ações ditarão o ritmo dos acontecimentos.

A lição econômica que o Ocidente esqueceu

A verdadeira riqueza não tem nada a ver com dinheiro impresso em papel ou criação de dívidas; a verdadeira riqueza vem dos recursos naturais, dos meios de produção e do trabalho [bens tangíveis, reais]. Isso é algo que os marxistas realmente acertaram em sua filosofia; o problema é que os marxistas estão interessados ​​apenas em maneiras de roubar trabalho, roubar recursos e roubar produção enquanto fazem o público pensar que tal roubo é uma coisa boa.

As nações orientais continuam a entender o que é a verdadeira riqueza. Você pode ter todo o dinheiro do mundo, mas se você não tiver uma base fabril, produção agrícola de commodities ou  desenvolvimento de recursos, então você não tem nada . É simples assim.

Se uma nação não tem riqueza real nem meios de criá-la, nenhuma prensa de impressão de dinheiro em papel salvará sua economia do colapso.

O Ocidente abandonou grande parte de seus meios de produção e prejudicou a exploração de seus próprios recursos por meio de falsas preocupações ambientais [criadas para manipular e impor uma agenda oculta], como “poluição por carbono”. O Oriente não fez isso, pelo menos não de uma forma que afete a produtividade a longo prazo. Portanto, o Oriente está na posição mais forte para sobreviver a um conflito econômico global.

Mas a verdadeira chave para a progressão de uma guerra econômica mundial é a combinação dos países envolvidos e seus acordos comerciais .

A Rússia e a China, por exemplo, vêm desenvolvendo comércio bilateral destinado a cortar o dólar americano há muitos anos. A Rússia, o maior pais do mundo em extensão territorial, é rica em recursos naturais, tecnologia de ponta e produção de commodities e a China tem a maior base de fabricação e exportação do mundo. Uma aliança entre ambos faz todo o sentido econômico. E foi exatamente isso que aconteceu.

Apenas algumas semanas antes da invasão da Ucrânia, a Rússia assinou um contrato de petróleo e gás de 30 anos com a China no valor de centenas de bilhões de dólares. Este acordo coincide com a construção de um grande oleoduto da Rússia para a China , que será concluído até 2025.

A Índia também fez acordos para aumentar os embarques de petróleo da Rússia e pagará sem o dólar (anteriormente a única petro-moeda do mundo). Além disso, a promessa de preços mais baixos enquanto o resto do mundo do petróleo sofre uma rápida inflação nos preços da energia é altamente tentadora para aqueles que compram petróleo, gás natural ou carvão da Rússia.

As outras nações do bloco BRICS (Brasil, Índia, China e África do Sul) têm sido altamente ativas no comércio com a Rússia, apesar das sanções ocidentais e da remoção de bancos russos da rede de pagamentos internacionais SWIFT. Isso é exatamente o que eu previ que aconteceria muitos anos atrás. Mas como esse bloco comercial afeta o período da guerra mundial?

Uma guerra econômica tem alvos econômicos

Tenho acreditado que o verdadeiro alvo desta guerra não é a Rússia ou a China, mas o dólar americano e a economia americana. Sim, haverá consequências financeiras de longo alcance além dos EUA, mas nossa economia é a única economia que depende completamente do status de reserva global de nossa moeda, o dólar.

Uma guerra mundial usando armas e táticas econômicas é o pior tipo de guerra que podemos lutar  porque não é uma guerra que podemos vencer . O status de reserva global do dólar é nosso calcanhar de Aquiles. Não é uma força , mas uma fraqueza. Enquanto todos os olhos estão na guerra de tiros na Ucrânia do outro lado do planeta, muito poucos percebem que o pior dano vai nos atingir aqui em casa.

As sanções contra a Rússia são apenas uma parte do problema, pois estão criando impulso para uma dissociação geral do comércio do dólar. O maior problema são as nações do BRICS (e seus parceiros de exportação/importação) que se recusarão a aceitar sanções porque são economicamente dependentes umas das outras.

Um exemplo é o recente anúncio da Hungria de que planeja recusar quaisquer cortes nas importações russas de petróleo e gás. Por quê? Porque isso causaria uma crise de energia em seu país, da qual eles não poderiam se recuperar.

Muitas outras nações estão seguindo essa lógica em todo o mundo e, se a OTAN continuar pressionando pelo isolamento econômico da Rússia, esses países invariavelmente deixarão de usar o dólar como moeda de reserva.

Por que “invariavelmente”, você pode perguntar – por que o isolamento econômico da Rússia leva ao fim do status de reserva global do dólar? Aqui está o porquê: quando o governo Biden e a União Europeia (UE) sancionaram a Rússia, eles também congelaram as contas russas em dólares americanos e encerraram a conexão da Rússia com a plataforma ocidental de pagamentos. 

Este foi um método muito claro de coerção! É como se Biden ligasse para Putin e lhe dissesse: “Saia da Ucrânia ou então. Essa é uma economia muito boa que você tem lá. Seria uma pena se algo, ah, acontecesse com isso…”

resto do mundo viu o Ocidente cancelar financeiramente a Rússia com uma mistura de espanto e horror. Este ato de declaração de guerra econômica revelou uma conclusão quase impensável: se eles fizeram isso com a Rússia, eles poderiam fazer isso com qualquer pais também…

Como disse o chefe global de estratégia de taxas de juros do Credit Suisse, Zoltan Poszar , ao programa “Odd Lots” da Bloomberg:

…as guerras tendem a se transformar em grandes conjunturas para moedas globais, e com a Rússia perdendo acesso às suas reservas de moeda estrangeira, uma mensagem foi enviada a todos os países de que eles não podem contar com esses estoques de dinheiro para realmente serem deles em caso de tensão . Como tal, pode fazer cada vez menos sentido para os gerentes de reservas globais reter dólares por segurança, já que eles podem ser bloqueados quando são mais necessários.

Dylan Grice , da Calderwood Capital, colocou isso em termos mais rígidos:

Dylan Grice @dylangrice nunca vi o “armamento” do dinheiro nessa escala antes… você só pode jogar essa carta uma vez. A China fará com que seja uma prioridade não precisar de dólares antes de ir para Taiwan. é um ponto de virada na história monetária: o fim da hegemonia do dólar e a aceleração em direção a uma ordem monetária bipolar.

Em outras palavras, as elites do establishment nos EUA e na Europa estão criando as condições que podem destruir o dólar.

O status do dólar depende inteiramente da  e da crença em sua demanda. Se a demanda por dólares vacilar por causa das sanções globais, todos esses trilhões de dólares mantidos em bancos estrangeiros voltarão inundando os EUA, empurrando o país ainda mais para uma crise estagflacionária. Os globalistas estão perfeitamente cientes de que esta será a consequência. Na verdade, eles estão contando com isso e provocando-o.

Talvez tenhamos cerca de oito anos para nos preparar

O ano de 2030 é consistentemente mencionado pelas Nações Unidas, o FMI, o WEF e o resto da cabala de instituições globalistas como o marco final para sua agenda de “Grande Reinicialização”.

Se uma crise econômica global é o catalisador como parece ser, então vários anos seriam necessários para deixar o colapso acontecer – juntamente com a introdução de uma “solução” para o problema criado intencionalmente.  Isso significa que a guerra econômica terá que acelerar rapidamente no próximo ano.

Hoje já estamos vendo altas de 40 anos na inflação, juntamente com consideráveis ​​interrupções na cadeia de suprimentos. Múltiplas fundações globalistas estão “prevendo” escassez de alimentos em todo o mundo nos próximos 3 a 6 meses. Acredito que a própria guerra se expandirá rapidamente dentro de um ano para incluir a China, e a maior parte dos danos será feita até o final de 2024. Tudo dependerá da rapidez com que os exportadores (principalmente a China) despejam o dólar; o dump do dólar será o gatilho primário.

Uma parte significativa da agenda “Great Reset” do WEF e da iniciativa global de moeda digital de Direitos Especiais de Saque do FMI exigiria o fim do dólar como moeda de reserva mundial. Este é um processo sobre o qual os globalistas vêm falando abertamente há algum tempo. Não é “teoria da conspiração”, é a realidade da conspiração. O FMI argumentou em muitas ocasiões que a estrutura monetária global deve ser “gerenciada” por uma entidade centralizada que possa impedir que os governos nacionais explorem o comércio de moedas para seus próprios fins, e isso inclui moedas digitais .

O palco já está montado para esta narrativa. Os EUA serão pintados como um exemplo de por que o nacionalismo é um “caminho para o desastre” e por que nenhuma nação deve ser confiável com tanto poder na forma de uma moeda de reserva mundial. Esse tipo de poder seduz os governos não apenas a excessos de poder de criação de dinheiro financiados por dívidas. 

Não apenas para imprimir dinheiro novo para pagar essas dívidas antigas, degradando com o poder de compra do dólar em todo o mundo (também conhecido como inflação). Mas veja o que os EUA fizeram com a Rússia – congelando contas bancárias e cancelando cartões de crédito da 10ª maior economia do mundo. Os globalistas chamariam isso de abuso de poder.

Ao longo da história, as moedas de reserva global subiram e caíram. Da dracma grego no século 5 a.C. à libra esterlina britânica (1700-1931), cada uma delas entrou em colapso. E a implosão resultante de uma moeda de reserva se espalha como um tsunami, destruindo economias em todo o mundo.

Assim, é apenas “lógico” que uma autoridade central global sem lealdades nacionais seja colocada no controle de uma moeda de reserva “internacional”, certo? Talvez um sistema de cesta baseado em várias moedas, ou, talvez, uma única moeda mundial … Para evitar que futuras tragédias e abusos de poder voltem a acontecer. Certo?

Não se engane. É um golpe completo.

A guerra mundial, seja econômica ou cinética, e a morte do dólar como moeda de reserva global é uma desculpa perfeita para a introdução “perfeitamente racional” de uma oligarquia financeira internacional no topo de um governo mundial.

E, ao contrário de seus antecessores, esse conselho governante funcionaria ao sol para que todos vissem, não escondido nas sombras profundas das entranhas dos cartéis de bancos centrais. Sua autoridade seria “oficial” e seu controle estabelecido como necessário, até mesmo vital para a paz mundial.

Esta é a mesma coisa que aconteceu depois de cada grande guerra ou guerra mundial; o argumento é que a soberania nacional foi a causa e que os estados-nação não deveriam existir porque, quando as pessoas são deixadas para se organizar em grupos, elas podem formar ideias diferentes sobre como viver, e ideias diferentes causam conflito.

Após a Primeira Guerra Mundial, eles introduziram a Liga das Nações.

Após a Segunda Guerra Mundial, eles estabeleceram a ONU e o FMI.

E, após a Terceira Guerra Mundial econômica, eles tentarão implementar um programa de uma moeda mundial e governança econômica global (e domínio e controle total também).

Os globalistas afirmam que é melhor que não haja soberaniagrupos e idéias divergentes“Precisamos de um coletivo global homogêneo com uma única mente coletiva”, diz o argumento, “para que nenhum conflito aconteça”.

Claro, eles conseguem ter seu próprio grupo, e esse grupo pretende angariar todos os benefícios da crise e o poder que será derivado do pânico.

Eu recomendo fortemente que você se prepare, e sua família, para o fim do status de reserva global do dólar americano. Isso significa garantir seu futuro financeiro com o que tem sido chamado de “dinheiro de último recurso”, em outras palavras, ouro e prata físicos.

Metais preciosos físicos estão protegidos contra hackers, imunes ao colapso da rede elétrica e muito provavelmente sempre valerão alguma coisa, o que é mais do que podemos dizer para a grande maioria das moedas falidas. Eles são uma base financeira sólida para construir seu futuro,  independentemente do que o futuro traga.

Saia do padrão do dólar antes que os globalistas façam isso por você – porque uma vez que eles venham buscar seus dólares, será tarde demais.

Com esse aviso, deixo vocês com uma citação do globalista e membro do Council on Foreign Relations Richard Gardner, publicada na revista Foreign Affairs em 1974, que acho que mostra a realidade das pessoas com quem estamos lidando:

Em suma, a “casa da ordem mundial” terá de ser construída de baixo para cima e não de cima para baixo. Parecerá uma grande “confusão estardalhaço e estrondosa”, para usar a famosa descrição da realidade de William James, mas um fim da soberania nacional, corroendo-a peça por peça, realizará muito mais do que o antiquado ataque frontal.

RELACIONADOS:

[Nota de Thoth: Mais importante e vital ainda, além de possuir ouro e prata físicos, é sair dos grandes centros, se estabelecer no interior, e criar uma alternativa autossustentável e independente do sistema antes que o caos total se instale . . .]


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.