Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Inundação na Líbia pode ter causado mais de 20 mil mortos: ‘O mar Continua Trazendo Corpos’

Enchentes na Líbia podem ter deixado cerca de 20 mil pessoas mortas, segundo uma autoridade local. Inundações catastróficas afetaram o leste do país no domingo (10/9). As águas romperam duas barragens e derrubaram quatro pontes na cidade portuária de Derna — a mais afetada na Líbia — que praticamente submergiu quando o furacão Daniel atingiu o país no final de semana.

Enchentes na Líbia podem ter deixado mais de 20 mil mortos: ‘O mar continua trazendo corpos’

Fonte: BBC-Londres

O prefeito de Derna disse à emissora de TV saudita Al Arabiya que estimou que entre 18 mil e 20 mil morreram quando as duas barragens romperam, liberando um tsunami de água enquanto as pessoas dormiam. A população da cidade era de cerca de 100 mil habitantes.

Ele afirmou ao canal que o cálculo do número de vítimas é baseado no número de comunidades destruídas pelas enchentes.

A praia de Derna está repleta de roupas, móveis e brinquedos infantis de casas atingidas. Os corpos ainda não recuperados permanecem sob os escombros ou no mar, aumentando o risco de doenças.

Prédios e bairros inteiros foram arrastados para o mar

A ajuda internacional começou a chegar ao país, mas os esforços de resgate estão sendo dificultados pela situação política na Líbia, que é dividida entre dois governos rivais (leia mais abaixo).

A ONU, que tem equipes atuando em Derna e está direcionando reservas de alimentos para a área, alertou sobre o perigo de doenças causadas por água contaminada na Líbia.

Jens Laerke, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), disse ao programa Today da Rádio 4 da BBC que o sistema de poços de água foi contaminado. “As pessoas precisam beber água e, se começarem a beber água contaminada, poderemos ver uma onda secundária de doenças e até mesmo a morte se não conseguirmos impedir isso.”

As inundações foram provocadas pela tempestade Daniel que assolou o leste do país, deixando um rastro de destruição com milhares de mortos e desaparecidos. Os familiares procuram desesperadamente os seus entes queridos na esperança de encontrá-los vivos ou pelo menos identificar os seus corpos para o enterro.

Testemunhas da catástrofe disseram à BBC que bairros e edifícios inteiros foram arrastados para o mar enquanto as pessoas dormiam. E agora “o mar continua devolvendo dezenas de corpos”, disse Hichem Abu Chkiouat, ministro da Aviação Civil e membro do Comitê de Emergência no leste da Líbia.

O meio de comunicação local Derna Zoom postou na rede social X (antigo Twitter) que um quarto da cidade foi “completamente aniquilada”. “É como se uma bomba nuclear tivesse caído”, dizia a mensagem.

Aqueles que conseguiram se comunicar com familiares e amigos na área afetada também estão com o coração partido. As pessoas estão vivenciando algo parecido com um cenário de “apocalipse”, disse o jornalista líbio Johr Ali à BBC.

Uma visão geral da cidade de Derna nesta terça-feira, 12 de setembro de 2023. Tempestade mediterrânea Daniel causou inundações devastadoras na Líbia que romperam barragens e varreram bairros inteiros em várias cidades costeiras — Foto: AP Photo/Jamal Alkomaty

Um amigo dele encontrou o sobrinho “morto na rua, atirado pela água de seu telhado”, disse o repórter. Ali, que vive exilado em Istambul devido aos ataques a jornalistas na Líbia, disse que outro dos seus amigos perdeu toda a família no desastre.

“A mãe, o pai, os dois irmãos dele, a irmã Maryam, a esposa dele (…) e o filho pequeno de 8 meses… Todos morreram, a família toda dele morreu e ele me pergunta o que deve fazer.” As ruas de Derna estão cobertas de lama e escombros e repletas de veículos capotados.

“As pessoas ouvem o choro dos bebês no subsolo e não sabem como chegar até eles”, disse o jornalista.

‘Parecia um tsunami’

O socorrista Kasim al Qatani disse à BBC que não há água potável em Derna e que os suprimentos médicos são escassos. Ele acrescentou que o único hospital de Derna não pode mais receber pacientes porque “há mais de 700 corpos esperando no hospital que não é tão grande”.

Embora a tragédia tenha começado com as intensas chuvas causadas pela tempestade Daniel, testemunhas relataram que a situação ficou fora de controle quando ouviram a explosão de uma grande barragem que acabou expelindo uma gigantesca torrente de água que “parecia um tsunami”.

Destruição na cidade de Derna, na Líbia, em 12 de setembro de 2023 — Foto: Esam Omran Al-Fetori/Reuters

As informações disponíveis até agora indicam que as chuvas provocaram o rompimento de duas barragens no rio Derna, “que arrastaram bairros inteiros com os seus moradores para o mar”, segundo Ahmed Mismari, porta-voz do Exército Nacional da Líbia, que controla o leste do país.

Além de Derna, as cidades de Benghazi, Susa e Al Marj, todas no leste, bem como Misrata, no oeste, também foram afetadas pelo que foram as piores inundações das últimas quatro décadas no país.

País dividido

Rico em petróleo, o país do norte de África foi dividido entre facções concorrentes desde a derrubada do antigo líder Muammar Gaddafi [instigada pelo ocidente]. O coronel Gaddafi governou a Líbia de maneira autocrática por quatro décadas, até ser deposto e morto em uma rebelião apoiada por potências ocidentais em 2011.

Novos confrontos eclodiram em 2014, com a Líbia dividida entre duas administrações – uma com base no leste e outra no oeste, onde fica a capital Trípoli. Os dois lados assinaram um cessar-fogo em 2020, mas as disputas políticas continuam.

Enterro em Vala comum dos mortos na Libia, em 12 de setembro de 2023 — Foto: Ayman Al-Sahili/Reuters

Em 2021, foi formado um Governo de Unidade Nacional em Trípoli, com Abdul Hamid Dbeibeh como primeiro-ministro reconhecido internacionalmente. Mas no ano seguinte o parlamento baseado no leste formou um Governo rival – e com um nome bastante semelhante – de Governo de Estabilidade Nacional.

A contínua polarização entre estes dois governos que afirmam ser os governantes legítimos do país dificulta esforços internacionais de paz.

Segundo o jornalista líbio Abdulkader Assad, essa divisão dificulta os esforços de resgate, uma vez que as diversas autoridades não conseguem responder com agilidade a uma catástrofe natural. “Não há equipes de resgate treinadas na Líbia. Tudo nos últimos 12 anos girou em torno da guerra”, disse ele à BBC.

A administração com sede em Trípoli enviou um avião com 14 toneladas de suprimentos médicos, sacos para cadáveres e mais de 80 médicos e paramédicos.

0 resposta

  1. Parece que as barragens tornaram se alvo estratégico para avanço da eugenia global… aproveitam as tempestades e dão uma forcinha com explosões de barragens… padrão global ultimamente… só não vê o pior cego… aquele que não quer ver

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *