browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Radiação cósmica de sistema estelar gigante ruma em direção à Terra alerta NASA

Posted by on 02/07/2019

Um novo estudo usando dados do telescópio espacial NuSTAR da NASA sugere que Eta Carinae, o sistema estelar mais luminoso e massivo de 10.000 anos-luz, está acelerando partículas a altas energias – algumas das quais podem chegar à Terra como raios cósmicosSabemos que as ondas explosivas de erupção de estrelas podem acelerar partículas de raios cósmicos a velocidades comparáveis ​​às da luz, um incremento incrível de energia“, disse Kenji Hamaguchi, astrofísico do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, e principal autor do estudo. “Processos semelhantes devem ocorrer em outros ambientes extremos. Nossa análise indica que Eta Carinae é uma delas“.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Radiação cósmica de sistema estelar gigante ruma em direção à Terra alerta NASA (VIDEO, PHOTO)

Fonte:  https://www.rt.com/ e https://www.nasa.gov/

Um sistema estelar contendo dois sóis (sistema binário) gigantescos explode seus raios cósmicos no espaço e os cientistas da NASA descobriram que a radiação está a caminho de atingir a Terra com a chegada de ventos intergalácticos carregados de intensa energia.

Observações de alta energia na extensa constelação do sul de Carina intrigaram os cientistas por algum tempo. Mas agora um telescópio orbital da NASA ajudou a fixar a fonte de energia em Eta Carinae, um sistema de estrela dupla a cerca de 7.500 anos-luz da Terra.

Já se sabe que raios com energias superiores a 1 bilhão de elétron-volts são borrifados em nosso sistema solar por diferentes fontes cósmicas. No entanto, o movimento errático da energia e o tamanho da grande extensão da nuvem de energia já dificultavam a localização de algumas das fontes. A colisão de ventos estelares dentro de Eta Carinae, que é cercada por uma nebulosa de poeira com formato de uma ampulheta, já foi confirmada como uma razão para os padrões de energia na região.

“Sabemos que as ondas explosivas de energias de estrelas explodidas podem acelerar os raios cósmicos a velocidades comparáveis ​​às da luz, um incremento incrível de energia”, disse o astrofísico da NASA Kenji Hamaguchi. “Processos semelhantes devem ocorrer em outros ambientes estelares extremos. Nossa análise indica que Eta Carinae é uma delas.

Usando o telescópio NuStar (Nuclear Spectroscopic Telescope Array), a NASA conseguiu coletar dados sobre ondas de choque violentas de ventos de energia intergalática colidentes que resultam em raios cósmicos, alguns dos quais foram vistos como refletindo sobre o campo magnético da Terra.

Como localizar Eta Carinae no céu noturno do Brasil.

“Nós sabemos há algum tempo que a região em torno de Eta Carinae é a fonte de emissão energética em raios-X e raios gama de alta energia”, disse Fiona Harrison, pesquisadora do telescópio NuSTAR. “Mas até que o NuSTAR foi capaz de identificar a radiação … essa origem era misteriosa”.

Lançado em 2012, o orbitador NuStar foi usado para mapear regiões selecionadas do espaço e atuar como um censor para estrelas colapsadas. O telescópio também foi encarregado de investigar misteriosos buracos negros e, no ano passado, documentou o fenômeno do “consumo de energia” na Via Láctea.


Carina é uma constelação no céu do sul. Seu nome é latim para a quilha de um navio, e fazia parte da constelação maior de Argo Navis (o navio Argo, do mito grego Argonautas) até que a constelação foi dividida em três pedaços, sendo os outros dois Puppis (o tombadilho ), e Vela (as velas do navio). Carina foi uma vez parte de Argo Navis , o grande navio de Jasão e os Argonautas que procuraram o Velocino de Ouro. A constelação de Argo foi introduzida na Grécia antiga. No entanto, devido ao enorme tamanho de Argo Navis e ao grande número de estrelas que necessitavam de designação separada, Nicolas Louis de Lacaille dividiu Argo em três seções em 1763, incluindo Carina (a quilha). 

No século XIX, esses três grupos foram estabelecidos como constelações separadas e foram formalmente incluídos na lista de 88 constelações modernas da IAU em 1930. Lacaille mantinha um único conjunto de letras gregas para o conjunto de Argos e conjuntos separados de designações de letras latinas para cada uma das três seções. Portanto, Carina tem α, β e ε, Vela tem γ e δ, Puppis tem ζ e assim por diante. 

Carina contém Canopus, uma supergigante em tons de branco que é a segunda estrela mais brilhante no céu noturno em magnitude -0.72, distante cerca de 313 anos-luz da Terra. Alpha Carinae, como Canopus é formalmente designada em astronomia, é uma estrela (de brilho) variável que varia em aproximadamente 0,1 magnitudes. Seu nome tradicional vem do mitológico  Canopus, que foi um navegador para Menelau, rei de Esparta que lutou contra Troia. (Wikipedia)


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Radiação cósmica de sistema estelar gigante ruma em direção à Terra alerta NASA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.