Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Terceira Guerra Mundial está prestes a começar? A Deriva em direção à Guerra (I)

É provável que bilhões de pessoas em todo o mundo vejam o conflito na Ucrânia como uma guerra por procuração travada pelos EUA contra a Rússia. O marionete senil presidente dos EUA, (‘Dementia’ Joe) Biden, prometeu ajudar a Ucrânia na busca da vitória “durante o tempo que for necessário”, sem definir qual poderá ser o resultado final. O presidente russo, Vladimir Putin, interpretou as intenções dos EUA como significando uma luta “até ao último ucraniano”

Terceira Guerra Mundial está prestes a começar? A Deriva em direção à guerra (I)

Fonte: scheerpost.com – Por Richard C. Cook

Qualquer pessoa com pulso discernível está ciente do perigo de que o conflito possa evoluir para uma conflagração suficientemente grande e destrutiva para se transformar na Terceira Guerra Mundial. O limiar provavelmente seria ultrapassado assim que as armas nucleares fossem desencadeadas. As doutrinas militares de todas as potências nucleares estipulam que tal ataque justificaria uma resposta em espécie, embora sem sempre excluir o mesmo para provocações menores de natureza potencialmente existencial. 

O presidente Biden disse que “o mundo enfrenta o maior risco de um Armagedom nuclear desde a crise dos mísseis cubanos de 1962”. O contexto da declaração de Biden surgiu um ano antes, em 21 de setembro de 2022, quando Putin alertou o Ocidente que não estava blefando quando disse que estaria pronto a usar armas nucleares para defender a Rússia contra o que ele disse ser “chantagem nuclear”.  Anteriormente, em um discurso de 21 de abril de 2021, Putin disse:

Nós realmente não queremos queimar pontes. Mas se alguém confundir as nossas boas intenções com indiferença ou fraqueza e pretender queimar ou mesmo explodir estas pontes, deve saber que a resposta da Rússia será assimétrica, rápida e dura. Aqueles que estão por detrás de provocações que ameaçam os interesses fundamentais da nossa segurança irão arrepender-se do que fizeram, de uma forma que não se arrependem há muito tempo. 

Outro que falou de guerra nuclear foi o antigo presidente e primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, agora vice-chefe do Conselho de Segurança russo e um dos principais conselheiros de Putin.  Comentando sobre a altamente elogiada, mas agora completamente fracassada, “ofensiva de primavera” da Ucrânia em 2023, Medvedev disse já em julho de 2023 que se a Ucrânia conseguisse tomar o território soberano russo – incluindo a Crimeia e os quatro oblasts (regiões) de Donbass anexados pela Rússia no ano passado – a Rússia “teria que usar armas nucleares em virtude do Decreto Presidencial Russo.” Este decreto afirmava que qualquer ataque ao território russo justificava uma resposta nuclear.

No Dia de Hiroshima, 6 de agosto de 2023, o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, disse: “Os tambores da guerra nuclear estão tocando mais uma vez. A desconfiança e a divisão estão aumentando. A sombra do cogumelo nuclear que pairava sobre a Guerra Fria ressurgiu.” Quem previu a guerra mundial foi o ministro da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace. Em 19 de maio de 2023, ele alertou “que o Reino Unido poderia entrar num conflito direto com a Rússia e a China nos próximos sete anos e apelou a um aumento nas despesas militares para combater a ameaça potencial”Em declarações ao Financial Times de Londres , Wallace disse que “está surgindo um conflito com uma série de adversários em todo o mundo”. 

Mais recentemente, o comentador independente Tucker Carlson, que disse que os EUA procuram intencionalmente uma guerra com a Rússia, comentou numa entrevista de Setembro de 2023 no The Adam Corolla Show que a administração Biden tentaria permanecer no poder iniciando uma “guerra quente” com a Rússia. antes das eleições de novembro de 2024. Carlson argumentou que os EUA “já estavam em guerra” com a Rússia na Ucrânia. Ele acrescentou: “Não acho que vamos vencer”

Entretanto, a nova geração de mísseis balísticos Sarmat da Rússia, capazes de transportar dez ou mais ogivas nucleares, foi utilizada em serviço de combate.

É claro que agora temos de esperar e ver se a ação dos republicanos da Câmara para lançar um inquérito de impeachment contra Biden, juntamente com o agravamento da sua senilidade, colocou um obstáculo suficiente no seu estilo para forçar um adiamento de quaisquer decisões irrecuperáveis. 

Mas alimentando os receios de Carlson estão as declarações da vice-secretária de Estado interina dos EUA, a khazar Victoria Nuland, num video de Setembro, apoiando os ataques ucranianos contra o território russo. Nuland disse que um “eixo” da estratégia dos EUA é “colocar em risco alguns dos ativos mais preciosos da Rússia”. 

Isto ocorre num momento em que os EUA planejam enviar Sistemas de Mísseis Táticos do Exército (ATACMS) de longo alcance para a Ucrânia, com a Alemanha prometendo mísseis Júpiter, e enquanto o Reino Unido planeja enviar caças da RAF para o Mar Negro. O ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, disse em junho de 2023 que o uso de armas fornecidas pelo Ocidente para lançar tais ataques “significaria o envolvimento total dos Estados Unidos e do Reino Unido no conflito”. 

Então Biden estava certo? O Armagedom nuclear está se aproximando? Ou será que “atitudes arriscadas” hoje são apenas “blefes”?

75 ANOS DE CONFLITO

É claro que a potencial guerra nuclear entre os EUA e a Rússia, especialmente na sua interação anterior como União Soviética, não é novidade. A Segunda Guerra Mundial mal tinha terminado quando figuras como Winston Churchill e o banqueiro judeu khazar norte-americano Bernard Baruch [criador do termo ” Guerra Fria”] começaram a soar os alarmes sobre a existência de uma “Cortina de Ferro” em toda a Europa e o início de uma “Guerra Fria”. 

Mas mesmo antes do início da Segunda Guerra Mundial, a administração Roosevelt aceitou a recomendação de estudos do Conselho de Relações Exteriores, financiados pela Fundação Rockefeller, de que os EUA deveriam ter como objetivo a dominação militar global do pós-guerra. Note-se que não havia nada na Constituição dos EUA que apoiasse, mesmo remotamente, tal objetivo. O mais próximo que os EUA poderiam ter chegado foi do mito do “Destino Manifesto” que outrora forneceu a ideologia para a expansão de costa a costa; isto é, “do mar ao mar brilhante”.

No final da Segunda Guerra Mundial, com o Império Britânico desmoronando e a Europa em ruínas, houve dois vencedores claros: os EUA e a União Soviética. A lógica aceita pelos planejadores [controladores] dos EUA ditava agora que estes últimos deveriam desaparecer. 

Diz-se que Stalin pediu para a URSS aderir à recém-formada OTAN, mas foi rejeitado. Ele então respondeu formando o Pacto de Varsóvia. O impasse do pós-guerra começou e, 75 anos depois, não terminou. Com os soviéticos ao longo da história de serem acusados ​​de fomentar revoluções comunistas em todo o mundo, os militares dos EUA têm estado a traçar planos para um ataque nuclear entre os EUA e a Rússia desde então. 

Enquanto os militares procuravam uma vantagem favorável a um primeiro ataque nuclear, o objetivo diário de trabalho em relação aos soviéticos era a “contenção”. Entretanto, os EUA começaram a sua longa história de geração de golpes de Estado favoráveis ​​aos seus interesses com a derrubada pela CIA de governos no Irã em 1953, na Guatemala em 1954 e o Brasil em 1964. 

Em 1956, o secretário de Estado de Eisenhower, John Foster Dulles, proclamou uma política norte-americana de “coisas arriscadas”. Falando do potencial para uma guerra nuclear numa entrevista à revista Life , ele disse: “Se você tem medo de chegar ao limite, está perdido”. Em 1961, o presidente John F. Kennedy parecia ter encarado o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev por causa da planejada instalação de armas nucleares em Cuba. Desconhecido publicamente, JFK já havia retirado as armas nucleares dos EUA da Turquia.  

As guerras por procuração como a da Ucrânia também não são novidade. Elas começaram com a Guerra da Coréia. É claro que havia “botas no terreno” dos EUA, mas a Coreia do Norte e a Coreia do Sul também lutaram entre si, com a Rússia/China e os EUA/ONU a apoiarem-se respectivamente. A Guerra do Vietnam foi travada com tropas e armas dos EUA ajudando os sul-vietnamitas contra o regime de Hanói, apoiado pela Rússia, e o seu aliado, o vietcongue do Vietname do Sul. O conflito coreano tornou-se um impasse; Vietnã, foi um desastre completo. 

Mas a mudança já estava nos ventos. JFK decidiu revolucionar o discurso com a sua agora famosa proposta para a paz mundial, apresentada na Universidade Americana em 10 de Junho de 1963. Na União Soviética, Khrushchev denunciou Stalin e propôs uma nova era de “coexistência pacífica” com o Ocidente. No início da década de 1970, o presidente Richard M. Nixon e o seu conselheiro de segurança nacional, Henry Kissinger, procuraram uma distensão com os soviéticos, juntamente com a sua abertura histórica à China. 

A reaproximação com os soviéticos foi sabotada pelo reforço militar de Reagan na década de 1980 e pelas mentiras da supremacia soviética promulgadas pelo Comité sobre o Perigo Presente. Os EUA [CIA] também estavam criando os Mujahedeen para atacar a presença militar soviética no Afeganistão. Isto fez parte do envolvimento de Reagan nas suas próprias guerras por procuração – chamadas de “Doutrina Reagan” – contra regimes esquerdistas na Ásia, África e América Central, com “esquadrões da morte” apoiados pelos EUA em El Salvador e noutros locais. 

Foi sob Reagan que a facção conhecida como “Neocons” começou a sua infiltração no aparelho de segurança nacional. Estes incluíam intelectuais “trotskistas” [comunistas] de Nova Iorque como Irving Kristol; ex-alunos da equipe do senador democrata Henry “Scoop” Jackson, como Paul Wolfowitz e Richard Perle; Analistas da “Equipe B” da CIA capacitados pelo Diretor de curto prazo George HW Bush, levando à proeminência futura de Bob Gates; ícones do complexo industrial militar, como o “Pai da Bomba H” Edward Teller; Donald Rumsfeld e Dick Cheney, que estavam unidos um ao outro e ao presidente Gerald Ford; o Diretor de Inteligência Central de Reagan, William Casey; e muitos futuros personagens sombrios como John Bolton. 

Foi Casey quem disse numa das primeiras reuniões do pessoal de Reagan: “Saberemos que o nosso programa de desinformação está completo quando tudo o que o povo americano acreditar for falso. Esta declaração definiu perfeitamente o programa futuro daquilo que hoje chamamos de “Estado Profundo” e o seu megafone dos meios de comunicação de massa, especialmente veículos como o The New York Times, o Washington Post e a CNN, as Pre$$tituta$. 

Um dos primeiros grandes projetos Neoconservadores – Irã-Contras – transformou-se num escândalo, com Reagan e o Vice-Presidente Bush alegando ignorância sob a ficção da “negação plausível”. Outro foi o projeto favorito de Reagan – a Iniciativa de Defesa Estratégica – satirizado como “Guerra nas Estrelas”. 

Afirmando estar ofendido pelo impasse nuclear entre os EUA e a União Soviética, segundo o qual a paz era assegurada apenas pela lógica da “Destruição Mútua Assegurada”, Reagan propôs uma armada de armas “defensivas” no espaço. O complexo industrial militar aproveitou Star Wars como uma cornucópia de lucrativos projetos de pesquisa e desenvolvimento que terminaram quando o ônibus espacial Challenger explodiu. O ônibus espacial estava sendo convertido em uma plataforma de testes de armamento espacial, como vi pessoalmente na NASA quando trabalhei lá em 1985-1986. Uma das ideias brilhantes dos planejadores de guerra seria enviar o presidente para a órbita da Terra no ônibus espacial, de onde ele poderia dirigir com segurança as operações militares. 

Mas o projeto Star Wars, que não foi retomado até o século 21 testemunhou, no entanto, um vasto planejamento de estações de batalha espaciais, armamento espacial teórico bacana, como o laser de raios X e dispositivos mais tarde chamados de “bastões de Deus”, e estudos de custo-benefício. isso incluía cálculos de quantas dezenas de milhões de americanos poderiam morrer numa guerra nuclear espacial contra os soviéticos, ao mesmo tempo que permitia aos EUA reivindicar a vitória. 

Entretanto, foi depois das horríveis revelações dos assassínios da CIA, da subversão dos meios de comunicação social, do envenenamento de indivíduos com LSD e de outros delitos decorrentes das audiências do Comité da Igreja em 1975, que a CIA começou a recuar para as sombras. Sob Reagan veio a autorização do National Endowment on Democracy, cuja missão principal se tornou as “revoluções coloridas” e mais tarde a “Primavera Árabe” no mundo muçulmano. No entanto, no meio dos horrores, Reagan ainda conseguiu assinar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário com o primeiro-ministro soviético Mikhail Gorbachev, reduzindo pela primeira vez o número de armas nucleares. 

Mas as coisas pioraram decididamente sob o presidente George HW Bush com a Doutrina Wolfowitz de 1992, que reformulou os antigos planos do nefasto CFR para o domínio militar global dos EUA e continha o aviso ameaçador de que a Rússia era a única nação na terra com o poder de destruir os EUA. Nesta altura, os EUA tinham começado a sua próxima fase de conquista global com a guerra de Bush contra o Iraque – a Tempestade no Deserto.

O objetivo era a colonização militar total do Oriente Médio, sendo o projeto “Grande Israel”, tão próximo e caro aos corações dos neoconservadores, um beneficiário óbvio. A Guerra Irã-Iraque de 1980-6, com os EUA a armar ambos os lados, teve sem dúvida os mesmos objetivos subjacentes. 

A estranheza na designação da Rússia como o pior dos inimigos mencionados na Doutrina Wolfowitz foi que, um ano antes, a União Soviética tinha entrado em colapso, deixando de existir em 1991, com os falcões dos EUA a declararem que a Guerra Fria tinha acabado e que os EUA tinham ganho. O corolário deles foi que o aumento militar de Reagan forçou a economia soviética à concordata porque não conseguia acompanhar os gastos militares dos EUA. 

Mas numa entrevista de 17 de dezembro de 2022 na plataforma de notícias online The Duran, Jack F. Matlock, antigo embaixador dos EUA na União Soviética, disse que “a ideia de que os gastámos para a derrota era absolutamente errada”. Ele disse que os EUA “não venceram a Guerra Fria”. Ele disse que a União Soviética se desfez porque a Guerra Fria terminou em 1989 e que foi o nacionalismo local que a destruiu. Ele acrescentou que o fim da Guerra Fria foi “negociado como iguais”.

Mas aqui estava o problema: a Doutrina Wolfowitz provou que não era o “comunismo” que os EUA queriam derrotar, uma vez que a Rússia já não era um Estado comunista. Matlock disse que Gorbachev tinha abandonado o comunismo no seu discurso na ONU de 7 de Dezembro de 1988. Nem os EUA estavam realmente a pressionar pela “democracia”. Da noite para o dia, a Rússia tornou-se mais democrática do que muitos dos regimes autoritários que os EUA apoiavam em todo o mundo há décadas, como os da Arábia Saudita e da Turquia. Pelo contrário, era a Rússia como inimigo geopolítico que os EUA [e os judeus] visavam [o vasto e rico território da Rússia] ; ou seja, aos olhos da Rússia, a sua própria existência como território, estado e civilização.

A fim de promover a paz com o Ocidente, Gorbachev concordou com a reunificação da Alemanha Oriental e Ocidental como uma nação e parte da OTAN, dado o acordo do Secretário de Estado dos EUA, James Baker, de que a OTAN não avançaria “uma polegada para leste” a partir da fronteira alemã. Esta promessa foi violada pelos três presidentes seguintes – Clinton, Bush II e Obama. O veterano estadista norte-americano George Kennan opôs-se à expansão da OTAN, enquanto o Embaixador Matlock chamou-a de “uma grande tragédia”.

Entretanto, o ataque de 11 de Setembro [False Flag Attack], o “novo Pearl Harbor” dos neoconservadores, produziu a “Guerra ao Terror”, o Patriot Act, o Departamento de Segurança Interna, a doutrina militar do Domínio de Espectro Total e os ataques ao Afeganistão, ao Iraque, e mais tarde na Líbia. O ponto focal ideológico foi a demonização de todas as coisas do Islã. A justificativa? “Eles odeiam nossas liberdades.”

Mas o Movimento da Verdade do 11 de Setembro começou a abrir buracos na teoria da conspiração oficial dos terroristas com estiletes que, com o tempo, se tornaram abismos escancarados. A narrativa anti-Islã começou a desgastar-se quando confrontada com o exagero militar dos EUA, as câmaras de tortura da CIA, o gasto inútil de bilhões de dólares a disparar contra pastores de cabras, a ausência de qualquer evidência de armas de destruição maciça no Iraque ou co-conspiradores em qualquer lugar, e o conflito interminável de Israel com os palestinos. 

Agora a própria Rússia começou a tomar posição. Na Conferência de Segurança de Munique de 2007, Putin desafiou a tentativa dos EUA de alcançar a hegemonia através da criação de um mundo “unipolar” “no qual existe apenas um mestre, apenas um soberano”. Ele disse: “no final das contas, isso é pernicioso”. 

Nunca houve qualquer indicação de que Putin, ao fazer a sua declaração de Munique ou posteriormente, tivesse qualquer intenção de restaurar o “império” soviético. Mas ele estava absolutamente determinado a preservar a soberania e a segurança da Rússia, apesar da intenção declarada das facções do Ocidente de desmembrar o território da Rússia e ganhar o controle dos seus recursos. Ele também lamentou o fato de, com o colapso da União Soviética, 25 milhões de russos étnicos terem sido deixados de fora do que era agora um Estado-nação unificado e fortalecido, misturando uma multiplicidade de raças, línguas e religiões.  

A “Guerra ao Terror” acabou sendo um fracasso trágico. Portanto, agora os principais meios de comunicação ocidentais aproveitaram a sua próxima grande oportunidade ao retratar Putin como o vilão do dia, ainda mais “autoritário” e “mau” do que Saddam Hussein ou Osama bin Laden. Mas teriam feito o mesmo se o Pato Donald fosse presidente da Rússia – um tirano desagradável, com bico de pato e penas que atacava a democracia, a liberdade, os direitos humanos e, sim, o “Novo Século Americano” que os neoconservadores tinham sonhado. 

UCRÂNIA – A ENCRUZILHADA

Agora, os EUA, com os neoconservadores firmemente entrincheirados no Departamento de Estado e noutros lugares, cercaram a Rússia com bases militares e atacaram o seu perímetro com revoluções coloridas na Geórgia, na Ucrânia e no Quirguizistão, na sequência do desmembramento da Yugoslávia no final da década de 1990 e no início da década de 2000. O Presidente Barack Obama colocou então o Sistema de Defesa contra Mísseis Aegis na Polônia e na Romênia com potencial para ativar mísseis que poderiam atingir Moscou com ogivas nucleares em apenas seis minutos. Falava-se de um possível ataque de “decapitação” contra a liderança russa.

Finalmente, em 2014, com os “cookies” Victoria Nuland e o vice-presidente Joe “Burisma 10%” Biden no comando, os EUA fomentaram um golpe na Ucrânia com a ajuda de atiradores pagos para expulsar um presidente amigo da Rússia e a sua substituição por uma junta neo-nazista que colocou a Ucrânia em pé de guerra. Em resposta, a Rússia anexou a Península da Crimeia, onde Sebastopol é o lar da sua frota do Mar Negro, com 85 por cento de aprovação popular, enquanto as províncias ucranianas orientais de Donbass, Donetsk e Lugansk, etnicamente russas, declararam independência. 

Finalmente, após oito anos de provocações ucranianas, a morte de mais de 10.000 civis do Donbass devido aos bombardeamentos ucranianos e a traição da Alemanha e da França ao não cumprirem os acordos de Minsk que tinham garantido, a Rússia entrou na Ucrânia com as suas forças militares em Fevereiro de 2022. O conflito começou, um conflito que a Rússia está vencendo a mudança de regime contra Putin. Mas cada revés ucraniano no campo de batalha foi seguido por mais armas e dinheiro fornecidos ao regime do judeu khazar Volodymyr Zelensky pelos EUA, Reino Unido, Alemanha, França e outros membros da OTAN. 

Mas quem estava dando as ordens? Em Março de 2022, os negociadores russos e ucranianos chegaram a acordo sobre uma solução provisória em reuniões em Istambul. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, correu então para Kiev para induzir Zelensky a rasgar o acordo e continuar a guerra. A escalada ocidental incluiu bilhões de dólares em tanques pesados, mísseis ​​e outras armas para a Ucrânia, juntamente com munições de fragmentação e projéteis de urânio empobrecido. Houve ataques de drones à própria Rússia e à Crimeia. Mas a contra-ofensiva ucraniana fracassou, com a especulação crescente de um grande contra-ataque russo, possivelmente até isolando a Ucrânia do Mar Negro. 

Agora fechamos o círculo. Continuam as advertências de Washington de que é melhor que Putin não se torne nuclear, o que pode ser interpretado como um convite a fazê-lo. Esta é obviamente uma nova fase de ousadia que poderia dar aos EUA um pretexto para avançarem para a guerra nuclear. Entretanto, os EUA compreendem que não poderiam de forma alguma desafiar a Rússia numa guerra convencional, mesmo com toda a aliança da OTAN sendo usada.

Mesmo assim, a divisão no seio da OTAN e a ausência de força militar suficiente em qualquer parte da Europa tornam isto impossível neste momento. O veterano analista militar Scott Ritter escreveu no Sputnik News em 21 de setembro de 2023, que mesmo que os EUA ativassem toda a sua força militar estacionada na Europa contra a Rússia, seriam derrotados dentro de uma a duas semanas de combate intensivo. A única alternativa seria então ativar uma gigantesca ponte aérea de forças adicionais para a Europa, com aviões de carga dos EUA como alvos fáceis de destruição durante o percurso. Impossível. 

Existem agora sinais de que os EUA podem estar pressionando a Ucrânia a concordar com um cessar-fogo, com um “congelamento” nos moldes do acordo coreano de décadas. Mas tudo o que isto faria seria “chutar a lata no futuro” – possivelmente até depois das eleições presidenciais dos EUA de 2024, provavelmente precedidas por eleições na Ucrânia, em Março. Não há sinais de que os EUA estejam prontos para conceder uma vitória russa que envolva a reformulação do aparelho de segurança europeu, sendo a Rússia um partido respeitado. O governo ucraniano fala de um conflito “de longo prazo” que dura décadas. Portanto, não há forma de afirmar que a guerra na Ucrânia está terminando ou de especular sobre a próxima fase. 

Então, será uma III Guerra Mundial nuclear uma possibilidade? 

Próximo: Parte II O Complexo Militar-Industrial e o Estado Profundo estão nos levando à guerra? 


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp