Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Uma ‘Derrota Abrangente’ da Ucrânia é o único resultado possível do seu conflito com a Rússia

O dia 2 de setembro marcou o 78º aniversário da cerimônia de rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial a bordo do USS Missouri, na Baía de Tóquio. Este momento formalizou a capitulação incondicional dos japoneses aos Estados Unidos e aos seus aliados e marcou o fim do conflito. Do ponto de vista japonês, este fato estava em curso desde o incidente da ponte Marco Polo, em 7 de julho de 1937, que deu início à Guerra Sino-Japonesa.

Há muito tempo que foi oferecido a Kiev um acordo de paz, mas ela preferiu a guerra, instigada pelos seus apoiantes ocidentais. Agora seu destino está selado!

Fonte: Rússia Today

Não houve negociação, apenas uma simples cerimônia de rendição em que as autoridades japonesas assinaram documentos, sem condições. Porque é assim que a derrota se parece.

A história deve ser estudada de uma maneira que busque extrair lições do passado que possam ter relevância no presente. Como observou George Santayana, o filósofo americano: “Aqueles que não conseguem se lembrar do passado estão condenados a repeti-lo”. O governo ucraniano em Kiev faria bem em refletir tanto sobre o precedente histórico estabelecido pela rendição incondicional do Japão, como sobre o conselho de Santayana, ao considerar o seu atual conflito com a Rússia. 

Em primeiro lugar, a Ucrânia deve refletir honestamente sobre as causas deste conflito e sobre qual lado suporta o peso da responsabilidade pelos combates. ‘Desnazificação’ é um termo que o governo russo tem utilizado para descrever uma das suas metas e objetivos declarados no conflito. 

O Presidente Vladimir Putin fez numerosas referências ao odioso legado de Stepan Bandera, o notório assassino em massa e associado da Alemanha nazista, um homem que é festejado pelos nacionalistas ucranianos modernos como um herói e quase como um pai nazista fundador da sua nação.

O fato de a atual Ucrânia considerar adequado elevar um homem como Bandera a tal nível diz muito sobre os alicerces podres da causa de Kiev e sobre a escassez de fibra moral na nação hoje. O papel desempenhado pelos adeptos modernos da odiosa ideologia nacionalista do colaborador nazista na promulgação dos principais acontecimentos que levaram ao início da operação militar por parte da Rússia não pode ser ignorado nem minimizado. 

Foram os Banderistas, com a sua longa relação com a CIA e outros serviços de inteligência estrangeiros hostis a Moscou, que usaram a violência para destituir o antigo presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, do cargo em Fevereiro de 2014.

Do ato de violência politizada ilícita resultou a integração das forças do genocídio étnico e cultural, manifestadas na forma dos atuais Banderistas, que iniciaram atos de violência e opressão no leste da Ucrânia. 

Isto, por sua vez, desencadeou a resposta russa na Crimeia e as ações dos cidadãos de Donbass, que se organizaram para resistir à violência dos nacionalistas ucranianos afiliados a Bandera. Seguiram-se os Acordos de Minsk e a subsequente traição por parte de Kiev e dos seus parceiros ocidentais do caminho potencial para a paz que estes representavam.

A Ucrânia não pode dissociar-se do papel desempenhado pelos Banderistas modernos na formação da sua realidade atual. Nisto, Kiev reflete os militaristas do Japão Imperial, cuja lealdade cega aos preceitos do Bushido, o tradicional “caminho do guerreiro” que remonta aos Samurais do Japão do século XVII, ajudou a empurrar o país para um conflito global. 

Parte das obrigações do Japão após a rendição era expurgar a sua sociedade da influência dos militaristas e promulgar uma constituição que os deplataformasse, tornando inconstitucionais as guerras de agressão – e as forças militares necessárias para as travar.

O banderismo, em todas as suas manifestações, deve ser erradicado da sociedade ucraniana da mesma forma que o militarismo inspirado no Bushido foi removido do Japão, para incluir a criação de uma nova constituição que consagre esta purga como lei. Qualquer falha em fazê-lo apenas permite que o cancer do Banderismo sobreviva, apodrecendo dentro do corpo derrotado da Ucrânia pós-conflito até algum momento futuro, quando possa metastizar mais uma vez e causar danos.

Esta é precisamente a mensagem que Putin enviou quando, durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, em Julho passado, mostrou um vídeo onde os crimes dos banderistas durante a Segunda Guerra Mundial eram expostos publicamente. “Como você pode não lutar contra isso?” Putin disse. “E se isto não é o neonazismo na sua manifestação atual, então o que é?” ele perguntou. “Temos todo o direito”, declarou o presidente russo, “de acreditar que a tarefa de desnazificação da Ucrânia que estabelecemos é uma das principais”.

À medida que as pre$$tituta$ dos meios de comunicação social ocidentais começam a enfrentar o âmbito e a escala da eventual derrota militar da Ucrânia (e, por extensão, a realidade de uma vitória militar russa decisiva), os seus patrocinadore$ políticos nos EUA, na OTAN e na União Europeia lutam para definir qual será o final do jogo. 

Tendo articulado o conflito russo-ucraniano como uma luta existencial onde a própria sobrevivência da OTAN está em jogo, assim como o imperialismo ocidental, estes políticos ocidentais têm agora a tarefa de moldar a percepção pública de uma forma que mitigue qualquer reação política significativa e sustentada por parte de eleitores que foram enganados em tolerar a transferência de bilhões de dólares dos seus respectivos tesouros nacionais, e mais bilhões de dólares em armas dos seus respectivos arsenais, para uma causa perdida e desgraçada.

Um aspecto fundamental desta gestão de percepção é a noção de uma solução negociada, um processo que implica que a Ucrânia tenha voz no que diz respeito ao momento e à natureza da cessação do conflito. O fato, porém, é que Kiev perdeu esta voz quando se afastou de um acordo de paz negociado entre os seus negociadores e os seus homólogos russos na Primavera passada, a pedido dos seus mestres da OTAN, conforme comunicado através do então primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. 

A decisão de prolongar o conflito baseou-se no fornecimento a Kiev de dezenas de bilhões de dólares em equipamento e assistência militar. As autoridades organizaram devidamente uma mobilização em massa, o que significa que as tropas ucranianas superaram largamente os seus homólogos russos. 

A nova força de Kiev, treinada e equipada pela OTAN, obteve ganhos territoriais impressionantes durante uma ofensiva de outono. A reação russa foi estabilizar a frente e realizar uma mobilização parcial das suas reservas para acumular mão-de-obra suficiente para cumprir a missão atribuída desde o início da operação – desnazificação e desmilitarização. 

A desnazificação é um problema político. A desmilitarização não é. No caso da Ucrânia, significa destruir efetivamente a capacidade da Ucrânia de travar conflitos armados numa escala significativa contra a Rússia. Este objetivo também implica presumivelmente a necessidade de remover todas as infra-estruturas militares da OTAN, incluindo equipamento e material, da Ucrânia. 

A Rússia tem levado a cabo a desmilitarização bem sucedida das forças armadas da Ucrânia desde o início da mobilização parcial. O equipamento fornecido à Ucrânia pelo Ocidente está igualmente a ser destruído pela Rússia a uma velocidade que torna a sua substituição insustentável. Entretanto, a própria indústria de defesa da Rússia entrou a todo vapor, fornecendo uma gama de armas e munições modernas que é mais do que suficiente.

A dura realidade é que nem a Ucrânia nem os seus aliados ocidentais podem suportar as perdas operacionais em soldados e equipamento que o conflito com a Rússia está a infligir. A Rússia, por outro lado, não só é capaz de absorver as suas perdas, mas também de aumentar a sua força ao longo do tempo, dado o grande número de voluntários que estão sendo recrutados para o serviço militar e a elevada taxa de produção de armamento. 

Em algum momento num futuro não tão distante, o equilíbrio de poder entre a Rússia e a Ucrânia no teatro de operações chegará a um ponto em que Kiev será incapaz de manter uma cobertura adequada ao longo da linha de contato, permitindo a abertura de lacunas na linha defensiva que a Rússia, capaz de utilizar novas reservas, irá explorar. Isto levará ao colapso da coesão entre as tropas ucranianas,

A Ucrânia, através das suas ações em 2014, perdeu a Crimeia. A Ucrânia, e através das suas escolhas em 2022, perdeu Donbass, Zaporozhye, Luhansk e Kherson. E se Kiev persistir em prolongar este conflito até ficar fisicamente incapaz de se defender, corre o risco de perder ainda mais território, incluindo Odessa e Kharkov.

A Rússia não entrou no conflito com a intenção de tomar o território ucraniano. Mas em Março de 2022, Kiev rejeitou um projeto de acordo de paz (que tinha inicialmente aprovado preliminarmente), e esta decisão de evitar a paz em favor da guerra levou a Rússia a absorver Donbass, Zaporozhye, Luhansk e Kherson.

Como uma das suas condições para começar a negociar a paz com Moscou, Kiev exigiu o regresso de todos os antigos territórios ucranianos atualmente sob controle russo – incluindo a Crimeia. Para alcançar tal resultado, contudo, a Ucrânia teria de ser capaz de obrigar ao cumprimento, derrotando a Rússia militarmente e/ou politicamente. Do jeito que as coisas estão, isso é uma impossibilidade.

Aquilo que a Ucrânia e os seus parceiros ocidentais parecem ainda não ter conseguido enfrentar é o fato de a liderança da Rússia não estar disposta a negociar. Putin listou as suas metas e objetivos no que diz respeito ao conflito – desnazificação, desmilitarização e nenhuma adesão à OTAN para a Ucrânia. 

Esta é a realidade da situação atual. A Rússia está a trabalhar para alcançar as metas e objetivos declarados. Na situação atual, há pouco que a Ucrânia ou os seus parceiros nos EUA, na OTAN e na UE (o chamado “Ocidente coletivo”) possam fazer para impedir que atinjam estes objetivos. O cronograma não é orientado pelo calendário, mas sim determinado pelos resultados. Quanto mais tempo Kiev – e os seus parceiros ocidentais – prolongar este conflito, maiores serão os danos que resultarão para a Ucrânia.

Chegou a hora de a Ucrânia e os seus parceiros ocidentais avançarem para o caminho da paz e da reconstrução. Mas isto só poderá acontecer quando a Ucrânia se render e aceitar a realidade que o campo de batalha apresenta.

Scott Ritter é ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e autor de ‘Desarmamento na Época da Perestroika: Controle de Armas e o Fim da União Soviética’. Serviu na União Soviética como inspetor de implementação do Tratado INF, no estado-maior do General Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo e de 1991 a 1998 como inspetor de armas da ONU. 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *