Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Você pode cheirar o que a China está cozinhando neste ano do coelho?

Liu He estudou economia na Renmin University, na China, e fez mestrado em Harvard. Desde 2018, ele é um dos vice-primeiros-ministros da China – junto com Han Zheng, Sun Chunlan e Hu Chunhua. Ele é diretor da Comissão Central de Assuntos Financeiros e Econômicos e dirige o Comitê de Estabilidade e Desenvolvimento Financeiro da China. Qualquer pessoa em todo o mundo que queira saber o que impulsionará a economia da China no Ano do Coelho deve prestar atenção a Liu He.

As Novas Rotas da Seda, ou BRI, bem como os esforços de integração do BRICS+, da SCO e da EAEU estarão na vanguarda da política chinesa.

Fonte: The Saker – Por Pepe Escobar

Davos 2023 veio e se foi: um exercício prolongado de oligarcas, muitos psicopatas, em Distopia Demente com picos de paroxismo. Pelo menos uma medida de realidade foi oferecida pela fala de Liu He. Uma análise limitada, mas competente, do que ele disse é infinitamente mais útil do que torrentes de “pesquisas” sinofóbicas mal disfarçadas vomitadas pelo US Think Tankland.

Liu He apontou alguns números importantes para a economia chinesa em 2022. O crescimento geral de 3% pode não ser inovador; mas o que importa é o valor agregado para fabricação de alta tecnologia e fabricação de equipamentos subindo 7,4% e 5,6%, respectivamente. O que isso significa é que a capacidade industrial chinesa continua subindo na cadeia de valor.

O comércio, previsivelmente, ainda reina supremo: o valor total das importações e exportações atingiu o equivalente a US$ 6.215 trilhões em 2022; isso é um aumento de 7,7% em relação a 2021.

Liu He também deixou claro que melhorar a riqueza dos cidadãos chineses continua sendo uma prioridade fundamental do PCC, conforme anunciado no Congresso do Partido de 2022: o número de chineses de classe média, até 2035, deve saltar dos atuais 400 milhões para surpreendentes 900 milhões.

Liu He explicou claramente que tudo sobre as reformas chinesas gira em torno da noção de estabelecer “uma economia de mercado socialista”. Isso se traduz como “deixar o mercado desempenhar um papel decisivo na alocação de recursos, deixar o governo desempenhar um papel melhor”. Isso não tem absolutamente nada a ver com Pequim privilegiar uma economia planificada. Conforme detalhou Liu He, “aprofundaremos a reforma das SOE [as Empresas Estatais], apoiaremos o setor privado e promoveremos a concorrência justa, o antimonopólio e o empreendedorismo”.

A China está alcançando o próximo nível, economicamente: isso se traduz em construir, o mais rápido possível, uma base comercial impulsionada pela inovação. Alvos específicos incluem finanças, tecnologia e maior produtividade na indústria, como na aplicação de mais robótica.

Na frente fin-tech, uma Hong Kong ressurgente deve desempenhar um papel extremamente importante a partir de 2024 – a maior parte em consequência de vários mecanismos Wealth Management Connect.

Entre, ou reingresse, no papel fundamental da Grande Área da Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau – um dos principais nós de desenvolvimento da China do século XXI.

O que é conhecido como Wealth Management Connect da Área da Grande Baía é uma configuração que permite que investidores ricos das nove cidades continentais que compõem a área invistam em produtos financeiros denominados em yuan emitidos por bancos em Hong Kong e Macau – e vice-versa. O que isso significa na prática é abrir ainda mais os mercados financeiros da China continental.

Portanto, espere um novo boom de Hong Kong até 2025. Todos aqueles desanimados pelo pântano coletivo do [Hospício do] Ocidente, comecem a fazer planos.

Dupla circulação atinge a Eurásia

Como esperado, Liu He também se referiu à principal estratégia de Pequim para esta década: “Um novo paradigma de desenvolvimento com a circulação doméstica como esteio e as circulações doméstica e internacional se reforçando mutuamente”.

A estratégia de dupla circulação reflete a ênfase da liderança de Pequim em aumentar simultaneamente a autossuficiência da China e sua vasta presença no mercado de exportação. Praticamente toda política governamental é sobre dupla circulação. Quando Liu He fala sobre “estimular a demanda doméstica da China”, ele está enviando uma mensagem direta aos exportadores globais – orientais e ocidentais – com foco nessa massa gigantesca e cada vez maior de consumidores chineses de classe média.

No Big Picture geopolítico e geoeconômico, Liu He foi diplomaticamente circunspecto. Ele apenas deixou filtrar que “acreditamos que uma ordem econômica internacional equitativa deve ser preservada por todos”. Tradução: as Novas Rotas da Seda, ou a iniciativa BRI, bem como os esforços de integração dos países do BRICS+, da SCO e da EAEU estarão na vanguarda da política chinesa.

E isso nos leva ao que deve se tornar uma das principais histórias do Ano do Coelho: a renovação das Novas Rotas da Seda.

Poucos povos melhores do que os chineses, historicamente, entendem que de Samarkanda a Veneza, de Bukhara a Guangzhou, de Palmyra a Alexandria, de Karakoram ao Hindu Kush, de desertos que costumavam engolir caravanas a jardins de haréns isolados, uma formidável atração de fatores econômicos, políticos, culturais e religiosos não apenas ligaram as extremidades da Eurásia – do Mediterrâneo à China – mas determinaram e continuarão a determinar sua história secular.

As Antigas Rotas da Seda não eram apenas seda, mas também especiarias, porcelana, pedras preciosas, peles, ouro, chá, vidro, escravos, concubinas, guerra, conhecimento, pragas – e foi assim que se tornaram o símbolo do “povo” de toda a Eurásia às trocas de pessoas”, como exaltam hoje Xi Jinping e a liderança de Pequim.

Esses processos envolvem arqueologia, economia, história, musicologia, mitologia comparada; assim, acompanhando o passado, as Novas Rotas da Seda também significam todos os tipos de trocas entre o Oriente e o Ocidente. A história perpétua do comércio ininterrupto, neste caso, é apenas a base material, um pretexto.

Antes da seda havia o lápis-lazúli, o cobre, incenso, pólvora. Mesmo que a China só tenha se aberto para o mundo exterior no século II a.C.– por causa da seda – a tradição chinesa, no mais antigo romance chinês, A Crônica do Filho do Céu Mu, conta a história do Imperador Mu visitando a Rainha de Sabá já no século X a.C..

As trocas comerciais de produtos entre a Europa e a China podem ter começado apenas no século I a.C.. Os homens que realmente atravessaram as imensidões das estepes eurasianas foram poucos. É apenas no ano de 98 que o embaixador chinês de Gan Ying parte para Da Qin – ou seja, Roma. Ele nunca chegou.

No ano de 166, o embaixador Antoninus Pius, supostamente enviado pelo próprio imperador romano, finalmente chega à China; mas na verdade é apenas um mercador aventureiro. Por 13 séculos houve um enorme vazio exploratório.

Apesar dos prodigiosos avanços do Islão e da omnipresença dos mercadores muçulmanos desde o século VII, só no século XIII – por altura das últimas Cruzadas e da conquista mongol – é que os europeus retomaram o caminho para o Oriente na figura de Marco Polo que permaneceu 24 anos na Eurásia [1271 a 1295], grande parte na China. E então, no século XV, os imperadores Ming sucedendo os mongóis fecharam totalmente a China para o mundo exterior.

É apenas em certa medida graças aos jesuítas no século XVI que um encontro finalmente aconteceu – 17 séculos tarde demais: a Europa finalmente começou a adquirir algum conhecimento da China, mesmo quando sonhava com isso repetidamente, desde a decadente Roma os patrícios estavam envoltos em túnicas de seda transparente.

É apenas por volta de 1600 que os europeus parecem ter percebido que o norte da China e o sul da China estão no mesmo continente. Assim, podemos concluir que a China realmente se tornou conhecida no Ocidente somente após a “descoberta” das Américas.

Dois mundos se ignoraram por tanto tempo – e ainda assim, ao longo das torres de vigia no meio das estepes eurasianas, o comércio continuou se movendo de um lado da Eurásia para o outro.

Agora é hora de outro empurrão histórico – mesmo quando uma Europa confusa e servil ao hegemon é mantida refém por uma cabala de neo-cons e neoliberais judeus khazares imperiais. Afinal, Duisburg, no vale do Rhur, na Alemanha, o maior porto fluvial interior do mundo, continua sendo o principal centro da Rota da Seda de Ferro em toda a iniciativa BRI, ligada por intermináveis ??ferrovias a Chongqing, na China. Acorde, jovem alemão: o seu futuro está no Oriente, isso é inexorável.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *